quinta-feira, 24 de Abril de 2014, 13:32
Pesquisa
pesquisar
Emprego Imobiliário Motores
iPad
Tobis vendida a companhia 'de capitais sobretudo angolanos'

23 de Fevereiro, 2012
O secretário de Estado da Cultura assumiu hoje que a empresa que adquiriu a Tobis é uma companhia «estrangeira de capitais sobretudo angolanos», com a qual o Estado nunca teve contacto directo.

De acordo com o secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, este passo representa o «fim de um processo negocial muito complicado», mas que é a chegada a um «bom porto (…) que assegura a continuidade da Tobis, de grande parte dos postos de trabalho», e que permite ao Estado manter o arquivo da produtora, assim como o edifício.

Em relação à empresa em si, de nome Filmdrehtsich Unipessoal Lda., o secretário de Estado disse que as negociações nunca ocorreram directamente com a companhia, mas sim com os bancos e com os advogados que a representavam, sendo esta «uma empresa estrangeira de capitais sobretudo angolanos», concluindo: «Portanto, basicamente é o que nós sabemos da empresa».

O secretário de Estado da Cultura não pôde garantir que a empresa compradora seja a mesma com a qual as negociações decorreram desde o início do processo, mas «é o mesmo grupo de advogados e de bancos» envolvido desde o princípio.

«O produto da venda permite liquidar todo o passivo acumulado pela Tobis», salientou Francisco José Viegas, admitindo também rentabilizar o imóvel através do aluguer dos estúdios.

A Tobis foi vendida à empresa Filmdrehtsich Unipessoal Lda, disse hoje à agência Lusa o director do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

Segundo José Pedro Ribeiro, a conclusão do negócio fechou «um processo negocial intenso» que «permite a continuação da actividade e salvaguarda do património cinematográfico português».

A conclusão da venda da Tobis - um dia antes da assembleia-geral de accionistas marcada para sexta-feira - foi entretanto comunicada hoje aos trabalhadores da empresa pelo secretário de Estado da Cultura.

Lusa/SOL




6 Comentários
ramos
26.02.2012 - 17:56
A lavagem de dinheiro continua!
GGS
25.02.2012 - 13:00
Também não percebo porque venderam a Tobis! Só por aqui havia três ou quatro comentadores disponíveis para pagar as dívidas e os ordenados em atraso daquela empresa...
ASS1719
24.02.2012 - 01:00
PALHAÇOS, VENDAM O PALÁCIO DE BELÉM AO LADRÃO DO EDUARDO DOS SANTOS, PARA FAZER DAQUILO UM BORDEL DE PROSTITUTAS...
ABA
23.02.2012 - 19:31
A Torre de Belém ficava mesmo a matar na Baía de Luanda. Vende-se barata e já desmontada e numerada. Cede-se know-how para a montagem. Pode trocar-se por potes de petróleo e diamantes para pagar aos corruptos que enxameiam as empresas públicas portuguesas.....
Também se vende o BP que não regula nada e dá sempre razão ao banqueiro.....com lições de crowling out!
ScallabisSniper
23.02.2012 - 18:56
Este (des)governo vende tudo, sem critério... Interessa é vender, privatizar para reduzir as "gorduras do Estado"... Cada vez tenho mais desgosto em ver a que ponto desceu este país!
Zedk
23.02.2012 - 18:41
Vamos bem. Ao menos, quando nos mudarem a nacionalidade, não temos de aprender outra língua. Unsdialeto sempre es mais facile.


PUB
PUB
Siga-nos
CD Carríssimas Canções de Sérgio Godinho
Assinaturas - Revista FEEL IT (PT)
Siga o SOL no Facebook


© 2007 Sol. Todos os direitos reservados. Mantido por webmaster@sol.pt