sexta-feira, 18 de Abril de 2014, 9:28
Pesquisa
pesquisar
Emprego Imobiliário Motores
iPad
Jardim tem 'dúvidas' quanto 'à receita da troika'

27 de Janeiro, 2012
O presidente do Governo da Madeira, Alberto João Jardim, disse hoje estar optimista sobre a execução do plano de assistência financeira da região, mas admitiu ter «muitas dúvidas sobre a receita da troika para Portugal».

«Estou optimista em ser capaz de levar isto por diante, mas tenho muitas dúvidas sobre a receita da troika para Portugal», afirmou Alberto João Jardim.

Na conferência de imprensa de apresentação do plano de ajustamento financeiro da região, no Funchal, Alberto João Jardim afirmou que «a escola do orçamentalismo» não é a sua, reiterando que “«não houver mais emissão de moeda e não só no caso português», mesmo à custa de uma inflação controlada, «as economias não vão reagir».

«Por isso tenho muitas dúvidas sobre este tipo de política que a troika anda para aí a impingir aos países do sul, acho que os países com problemas já deviam ter feito uma frente, um grupo de pressão, no seio da União Europeia», declarou aos jornalistas.

Lusa/SOL




3 Comentários
Manuel Cristiano
28.01.2012 - 16:57
O prezado Banze esqueceu se mais umas medidas urgentes. Portugal ( os verdadeiros honestos portugueses) tem ainda de mandar a UE dar uma volta , e destituir ja todos estes "amiguinhos" sejam
o Albertjan ( como dizem os madeirenses), os senhores dos partidos politicos, etc etc e todos os camaradinhas que xafurdam nas gamelas dos poderes.
Banze
28.01.2012 - 13:49
Portugal está à mercê dos predadores financeiros, como sejam os mercados de valores, especuladores,
troikas e outros animais que vestidos de pele de cordeiro nos atacam e devoram vivos e devagarinho.
Enquanto o tenente de NAZIMERKEL ( Passos Coelho ) vai encontrando políticas para a destruição do país
e da europa. Fomos colonizados e submetidos à escravidão. Enquanto aínda tivermos comida iremos acreditar
nestas políticas de austeridade que nos sugam o tutano. Ninguém está livre da falência,
e muitos que agora aínda estão bem economicamente poderão ficar mal dentro em breve, pois não há financiamento bancário
às empresas, nem aos consumidores e por isso a economia interna vai colapsar. Quanto às exportações que
eram a bandeira deste governo vão ficar numa situação muito dificil devido à recessão mundial que se
aproxima. A maçonaria conquistou o poder através de passos coelho e de miguel relvas, este que é o
verdadeiro lider desta tropa. As triades chinesas já estão em portugal e entraram através da EDP.
Aínda vamos assistir à tentativa de compra da madeira por parte de algum multimilionário chinês, tal como tentaram com a
compra de uma ilha Islandesa com aPoio do PC chinês e das triades chinesa. talvez aínda venhamos a
assistir ao astear da bandeira chinesa na "república das bananas" da madeira.
Portugal terá que se erguer contra esta ocupação, humilhação e desgraça que atinge a todos e a tudo.
Um país independente com 900 anos de história não se pode deixar levar pelos novos senhores do mundo. que sem qualquer respeito,
sentimento, moral e crenças, apenas se dedicam ao ganhar dinheiro a qualquer custo sem olhar a meios e consequências para os
povos do mundo.
A Alemanha tem ganho muito dinheiro com a crise na zona euro e por isso não fará nada para acabar com
ela. A Alemanha de Nazimerkel está conseguindo fazer aquilo que hitler idealizou, só que com baixo custo e de maneira eficaz, sem
campos de concentração e sem campos de extermínios dos povos europeus. ( O colapso da economia resolverá esse assunto )
Os Americanos foram os culpados por a china ter entrado para a organização de Comercio mundial.
A china usa mãodeobra considerada escrava aos olhos do ocidente e por isso não se pode competir com eles.
Mesmo com um governo que tudo faz para reduzir ordenados e subsídios, tentando acompanhar os salários chineses.
Portugal para sair desta crise crónica em que nos encontramos precisa de seguir outros caminhos.
1- sair do euro
2- nacionalizar a banca
3- obrigar a troika a não cobrar mais que 1% de juros sobre o empréstimo usurário a Portugal
( Quem deve é quem manda. é preferivel receberem 1% de juros do que não receberem nenhum.)
4- devolver as casas e parar ações de despejo por parte da banca de famílias que devido à crise não
podem cointinuar a pagar as casas.
5- Usar o restante ouro que salazar amelhou e que já só temos um terço, ou seja 385 toneladas para investir
e apoiar empresas na Agricultura, pescas, turísmo, e empresas exportadoras.
6- incentivar o consumo de produtos nacionais.
7- reduzir impostos a empresas que criem postos de trabalho em portugal e dando terrenos para que se instalem em portugal
etc... etc... etc...
Paulo portas afinal não percebe nada de história e não tem qualquersentimento de pátria. Como pode ele aceitar que o
limite ao deficit seja escrito na constituição? E quando acontecer um
terremoto seguido de marmoto como no dia 01 de novembro de 1755 ou outro qualquer evento. Ou sejamos atacados por
terroristas, ou espanhois e marroquinos? E se nos declarem guerram, ou outra coisa qualquer, não se pode usar dinheiro
para salvar o país, ou defender-nos, ou salvar a população porque está escrito na constituição quer não podemos ultrapassar o deficit ?
enquanto andam ocupados com os feriados a economia real está a entrar em colápso. nÃo hÁ dinheiro.
os comerciantes estão superendividados e já deixaram de pagar rendas, água e energia. os fornecedores não
vendem fiado e a banca não dá crédito. estamos à beira do fim de portugal
Eu bem que avisei, Os chineses não querem nenhum BCP ou outro banco falido português.
Eles querem é um banco chinês de raíz em portugal.
Portugal é para a china o mesmo que macau foi para Portugal.
A Porta de entrada na Europa de produtos adulterados e comrisco para a saúde.
cristinamrp
27.01.2012 - 19:57
Grande Alberto, de acordo contigo. Os nórdicos vendem-nos veneno, nós compramos e gostamos.


PUB
PUB
Siga-nos
CD Carríssimas Canções de Sérgio Godinho
Assinaturas - Revista FEEL IT (PT)
Siga o SOL no Facebook


© 2007 Sol. Todos os direitos reservados. Mantido por webmaster@sol.pt