quinta-feira, 17 de Abril de 2014, 19:26
Pesquisa
pesquisar
Emprego Imobiliário Motores
iPad
CGTP: 'senhores da troika não têm muita compreensão'

23 de Fevereiro, 2012
O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou hoje que os «senhores» da troika «não têm muita compreensão para a sensibilidade social», à chegada para uma reunião com os representantes do FMI, BCE e União Europeia.

Ao Centro Europeu Jean Monnet, em Lisboa, onde se vai decorrer a reunião da central sindical com a 'troika', Arménio Carlos chegou com «uma mensagem muito simples: estas políticas estão a conduzir o país ao desastre económico e social».

«Isto não é ajuda, é agressão», afirmou o secretário-geral da CGTP sobre o programa de ajuda financeira a Portugal, adiantando que no encontro com os responsáveis da 'troika' vai propor «uma alteração de políticas para por a economia a crescer, porque se não crescer não há emprego».

Em declarações aos jornalistas, o dirigente sindical defendeu «uma alteração da política», considerando que a que está em curso «pode ser boa para os especuladores, o FMI, a UE ou para o BCE, mas para o futuro do país é péssima».

Arménio Carlos já tinha avançado à Lusa que a delegação da CGTP-IN ia aproveitar o encontro para apresentar as suas propostas à 'troika'.

«Vamos identificar os problemas, vamos identificar os causadores e vamos mostrar que existem outras saídas», disse o sindicalista.

A dinamização do sector produtivo, para reduzir as importações e a dívida, a promoção do emprego de qualidade e o combate à precariedade e uma nova política de rendimentos que assegure o desenvolvimento económico são algumas das propostas que a CGTP vai levar para a reunião.

O encontro realiza-se a pedido da 'troika' (UE/FMI/BCE) para fazer uma análise e avaliação da implementação do Memorando.

A UGT reuniu-se na segunda-feira com a 'troika' com o mesmo objectivo.

Esta é a segunda vez que as centrais sindicais se reúnem com a 'troika. A primeira foi antes da assinatura do Memorando de entendimento.

A missão conjunta do Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu iniciou há uma semana a terceira avaliação do Programa de Assistência Económica e Financeira de Portugal.

Os técnicos liderados por Poul Thomsen (FMI), Jürgen Kröger (CE) e Rasmus Rüffer (BCE) deverão permanecer em território nacional, a avaliar as metas do programa português, durante cerca de duas semanas, para decidir se recomendam ou não o desembolso da quarta tranche do empréstimo a Portugal.

Portugal recebeu até ao mês passado quase 40 mil milhões de euros do empréstimo do Fundo Monetário Internacional e da União Europeia, mais de metade do valor total acordado com as instituições em Maio do ano passado.

A 'troika' irá analisar de perto as reformas estruturais, a reestruturação do Sector Empresarial do Estado, as dívidas por pagar há mais de 90 dias e o panorama macroeconómico, entre muitos outros aspectos.

Lusa/SOL




1 Comentário
Matosant
24.02.2012 - 09:57
Este personagem está cheio daquilo que todos nós sabemos, mas não é bonito dizer; faz lembrar aquele que andava na parada com o passo trocado, mas o mal estava nos outros.


PUB
PUB
Siga-nos
CD Carríssimas Canções de Sérgio Godinho
Assinaturas - Revista FEEL IT (PT)
Siga o SOL no Facebook


© 2007 Sol. Todos os direitos reservados. Mantido por webmaster@sol.pt