quinta-feira, 24 de Abril de 2014, 22:38
Pesquisa
pesquisar
Emprego Imobiliário Motores
iPad
Venizelos: Portugal sujeito a sacrifícios menores

13 de Fevereiro, 2012
O ministro das Finanças grego, Evangelos Venizelos, disse hoje à agência Lusa que Portugal está em melhor situação do que a Grécia, mas também sujeito a sacrifícios menores.

Evangelos Venizelos, que é também vice-primeiro-ministro, reconheceu à Lusa, no Ministério das Finanças em Atenas, que Portugal tem menos dívida e está, portanto, em melhor situação do que a Grécia.

Ao mesmo tempo, o ministro comentou que o povo português parece ser mais paciente e por isso não reage da mesma forma do que os gregos, que são mais temperamentais, ainda que estejam, também, perante sacrifícios maiores.

O ministro das Finanças referiu-se ainda à experiência portuguesa de coligações partidárias para comparar que na Grécia este tipo de prática está ainda no início.

Na sequência da aprovação do novo plano de resgate no parlamento grego, no domingo, a perspectiva ficou mais clara, disse Venizelos, admitindo que a situação é difícil, mas sublinhando que está agora também mais definida e que os dois principais partidos estão mais conscientes da realidade.

O ministro falou ainda da União Europeia (UE), considerando que um dos seus actuais problemas consiste numa abordagem linear, com poucos pólos de influência.

Sem se referir directamente à Alemanha, o ministro concretizou a ideia dizendo que a UE segue essencialmente uma só direcção, que, por vezes, é determinada pelas condições políticas internas dos estados-membros. O caminho da Europa mudou, mas falta-lhe uma definição estratégica, observou.

O parlamento grego aprovou no domingo o acordo do Governo com a 'troika', nos termos do qual a Grécia vai receber um novo empréstimo de 130 mil milhões de euros para impedir a bancarrota do país.

Com uma maioria de 200 votos a favor e 74 contra (num total de 300 deputados), a Grécia deu 'luz verde' ao pacote de resgate financeiro concedido pela 'troika', formada pela Comissão Europeia (CE), o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Enquanto decorria o debate e votação no parlamente, a capital grega viveu momentos de graves incidentes, durante os quais grupos de manifestantes incendiaram pelo menos 45 edifícios no centro da cidade em protesto contra as novas medidas de austeridade.

(notícia actualizada às 20h36.)

Lusa/SOL




4 Comentários
Banze
16.02.2012 - 20:36
Quando nos impõe medidas de austeridade e dizem que se vive acima das
possibilidades eu pergunto-me. Será que estamos na UE para sermos os criados
e vassalos dos alemães e de outros chamados de países ricos? porque dizem que
ganhamos demais quanndo eles próprios nnesses países não conseguiriam viver
com os ordenados portugueses?
Porque nos impõe medidas recessivas que em
nada vão melhorar a nossa economia e apenas tem interesse para receberem altos
juros dos empréstimos e endividamento galopante do país?
DoLadoOcultodaLua
14.02.2012 - 15:43
Este gajo é mesmo grego. Habituado a comer à custa da UE nem vê (não quer ver) que mesmo que façam os cortes (até agora tem sido só promessas, na prática nada)tanto o ordenado minimo como os despedimentos na função pública ainda ficam muito longe do que já foi feito em Portugal. E os emprétismos e perdões de dívida têm sido às centenas de milhares de milhões!Grulos!
quijote
13.02.2012 - 23:17
Os gregos são muito piegas.
pauloc
13.02.2012 - 22:35
Piegas!


PUB
PUB
Siga-nos
CD Carríssimas Canções de Sérgio Godinho
Assinaturas - Revista FEEL IT (PT)
Siga o SOL no Facebook


© 2007 Sol. Todos os direitos reservados. Mantido por webmaster@sol.pt