segunda-feira, 21 de Abril de 2014, 1:28
Pesquisa
pesquisar
Emprego Imobiliário Motores
iPad
Forças de Assad matam dois jornalistas ocidentais

22 de Fevereiro, 2012
Clique na imagem para ver mais fotos
Um fotojornalista francês e uma proeminente correspondente de guerra norte-americana, a trabalhar para um jornal britânico, foram mortos hoje em Homs.

Os dois jornalistas – Remi Ochlik e Marie Colvin - encontravam-se num centro de imprensa guardado pelas forças anti-regime quando um rocket disparado pelos militares de Bashar al-Assad atingiu o edifício onde se encontravam.

Activistas sírios contaram à Associated Press que, pelo menos, dois outros jornalistas ocidentais ficaram feridos num ataque que provocou a morte a 13 pessoas.

A pressão dos militares leais ao governo sobre as forças anti-Assad é cada vez maior, mas, apesar dos ataques são cada vez mais frequentes no centro de Homs, os redutos rebeldes continuam a resistir.

As centenas de mortes que resultam destes ataques levou à intensificação da pressão internacional sobre Assad. Hoje, ao ser informado sobre as mortes dos jornalistas, o presidente francês afirmou «Chega, o regime tem de cair».

Bashar al-Assad não concorda com Sarkozy e parece estar determinado a resistir, ainda que a sua atitude arraste o país para uma guerra civil de larga escala.

O Governo sírio permitiu a alguns jornalistas entrarem no país, no entanto, esse movimento é estritamente controlado pelo Ministério da Informação, o que tem levado muitos jornalistas e entrarem na Síria por vias ilegais. Nos últimos meses, muitos estrangeiros têm entrado, com a ajuda de contrabandistas, através do Líbano e da Turquia.

Marie Colvin, natural do estado de Nova Iorque, era uma correspondente de guerra veterana. Tinha cerca de 50 anos e trabalhava como correspondente do Sunday Times há duas décadas. O corpo foi imediatamente reconhecido devido a uma pala preta que Colvin usava sobre o olho esquerdo desde 2001, quando cobriu os conflitos do Sri Lanka.

Remi Ochlik era um fotojornalista premiado, que esteve presente em vários acontecimentos da Primavera árabe. No seu trabalho destaca-se também a cobertura do golpe de Estado do Haiti, em 2004.

SOL




5 Comentários
sinadelis
29.08.2012 - 00:45
Eram criminosos que foram eliminados.
joper
23.02.2012 - 11:20
A Siria tem petroleo?
averdadedoi
23.02.2012 - 02:20
tanta visita e tão pouco comentario
averdadedoi
22.02.2012 - 23:44
quer dizer então que evita atacar civis se souber da presença de jornalistas... quando não sabe da presença destes ou sabe que não estão lá, então é à fartazana..... esclarecido!!
Niajar
22.02.2012 - 21:48
O mundo continua impávido e sereno a este genocídio hediondo,mas uma vez repete-se Sebrenica!


PUB
PUB
Siga-nos
CD Carríssimas Canções de Sérgio Godinho
Assinaturas - Revista FEEL IT (PT)
Siga o SOL no Facebook


© 2007 Sol. Todos os direitos reservados. Mantido por webmaster@sol.pt