quinta-feira, 24 de Abril de 2014, 22:38
Pesquisa
pesquisar
Emprego Imobiliário Motores
iPad
Frei Tomás

15 de Janeiro, 2012por José António Saraiva
A tão comentada questão da mudança da sede da sociedade da família Soares dos Santos para a Holanda ainda merece uma crónica.

Alexandre Soares dos Santos tomou a decisão de fazer o que considerou melhor para si, para os accionistas que representa e para o conjunto do grupo que lidera.

Fê-lo no respeito pela lei – e motivado por razões fiscais, bancárias e outras relacionadas com a fragilidade da economia portuguesa.

Se não o fizesse, poderia ser acusado pelos outros accionistas de defender mal os interesses do seu grupo – e ficaria em desvantagem relativamente à concorrência.

O capital não tem pátria – e escolhe o que é mais vantajoso em função dos objectivos que define.

Às vezes é frio, cruel e implacável – mas é realista.

Não escuta argumentos lamechas.

Corta a direito.

É essa a sua força e a sua fraqueza.

O EXEMPLO mais eloquente dessa ‘inexistência de pátria’ do capital são as deslocalizações.

As empresas deixam o seu país de origem para irem instalar as suas fábricas ou os seus serviços a muitos milhares de quilómetros de distância onde os salários são mais baixos, as leis laborais mais flexíveis ou os impostos mais favoráveis.

O objectivo é sempre o mesmo: reunir um conjunto de factores que permita produzir o mesmo produto ou serviço ao menor preço.

A SEGUINTE história, passada comigo, ilustra bem esta realidade.

Aterrámos em Las Vegas, esperámos pela bagagem, mas verificámos que uma mala não chegara. Disseram-nos então que a levariam dentro de uma hora ao hotel. Mas o tempo passou e nada de mala. Telefonámos então para o serviço de informações do aeroporto, contámos o sucedido – e a funcionária perguntou em que hotel estávamos.

– Olhe, estamos num hotel mesmo ao pé do aeroporto. A senhora, se calhar, vê-nos daí.

– Não, não vejo – respondeu ela – É que eu estou na Índia…

MAS, exactamente porque o capital não tem pátria, não é possível ser, ao mesmo tempo, ‘capitalista’ e ‘patriota’.

O capitalismo e o nacionalismo são hoje, na era da globalização, incompatíveis.

O nacionalismo apela a valores que o capitalismo não respeita.

E aqui é que reside o problema de Alexandre Soares dos Santos: ele pretende fazer a quadratura do círculo e ser simultaneamente ‘patriota’ e ‘capitalista’.

Ele vai à televisão e fala do amor à pátria, ataca os políticos, critica o Presidente da República, tudo em nome do interesse de Portugal – mas, na hora da verdade, põe os interesses do seu grupo acima dos interesses do país.

Essa é a questão.

COM ESTA deslocalização para a Holanda, Soares dos Santos colocou-se exactamente na posição de Frei Tomás: «Faz o que ele diz, não faças o que ele faz».

O líder da Jerónimo Martins, pela sua exposição pública e pelas posições frontais que assume, é visto por muitos portugueses como um exemplo.

Ora, imaginemos que esses lhe seguiam as pisadas e, para acautelarem os seus interesses financeiros, começavam a transferir maciçamente as suas poupanças depositadas em bancos portugueses para bancos estrangeiros, faziam depósitos directamente lá fora, abriam contas em moeda estrangeira, etc.

Se isto acontecesse, seria a bancarrota.

Portanto, é bom que todos nós – incluindo os nossos governantes – escutemos os ensinamentos de Soares dos Santos, mas não façamos o que ele faz.

Continuemos a pagar a totalidade dos impostos em Portugal e a fazer os depósitos em euros nos nossos bancos.

Eu, pelo menos, faço isso.

De contrário, aconteceria uma catástrofe que nos arrastaria a todos.

P.S. – Num supermercado Pingo Doce entregaram-me um papelinho de esclarecimento sobre a questão «da Holanda», conforme o funcionário explicou. Li-o com curiosidade. Lá se diz que a sede social e a residência fiscal do Pingo Doce continuam em Portugal, que não houve qualquer alteração no pagamento dos impostos em Portugal, e que a Jerónimo Martins continua a contribuir fiscalmente neste país, também sem alteração. Perante isto, perguntamos: então o que foram fazer para a Holanda? Este tipo de esclarecimentos voltam-se contra quem os faz porque, fugindo a esclarecer as dúvidas (a palavra Holanda não é sequer referida no panfleto), ainda levantam mais suspeitas.




13 Comentários
surpreso
19.01.2012 - 10:53
Ele é patriota ,porque crítica o esbulho a que Portugal foi sujeito pelo "gang" politico do PS
Já foi n vezes explicada a razão porque foi para a Holanda: a mesma das outras 18 empresas do PSI-20,ou acha que ele decidiu apenas em Dezembro?Não sirva a campanha suja do PS...
91xx
18.01.2012 - 00:07

1
Esta é a A3. Uma auto Estrada sem Portagens na Alemanha em constante fila de trafico servindo a economia germânica.

http://goo.gl/Mktce

2

Esta é a Via do Infante: A22 que o Governo transformou desde o dia 8.12.2011 numa via como o país vive-se em regime de recolher obrigatório. Uma via fantasma...de noite ainda espanto é maior.

http://goo.gl/K77RS

3

Esta é uma Míni bilheteira para quem entra em Portugal a 120 km a hora, ver, parar, e tirar o bilhete.

A caixa fica numa terra não asfaltada...com dizeres algo que mal se compreende. como se a direita já a via estava sem trafico.
Este é o exemplo como Portugal cativa a turismo. com projecto zero.

Os carros com matricula espanhola e do norte de áfrica desapareceram das estradas nacionais.

http://goo.gl/ddRlR

4

E este é o caos de toda esta politica desastrosa para toda a economia do país.
E obras no terreno? Parou o pouco que tinha começado.


Alemanha aproveita em pleno as suas vias...Portugal? Portugal vendia-as aos chineses se eles as quiserem arrancar e importar.


http://goo.gl/RTqdP


91xx
17.01.2012 - 23:33

Screenshots: (fotografar secretamente com um telemóvel o conteúdo no ecrã de um computador.)
1
Um grande presidente de uma empresa (os boys é igual) que caio em desgraça quando a sua empresa teve um grande perda e teve que mudar de administração.
1
Dizia o administrador: "De momentos ficamos sem motorista, sem um grande escritórios, com tapetes da Pérsia, sem secretaria, sem agenda, sem cartão de credito, fica-se um normal mortal.
1
"E isso é dramático para um administrador."
1
São esses privilégios que leva tanta gente a preferir ser Boy ou Girl.
1
Mais ele diz: "Toma um emprego que não seja estratégico porque a estratégia só existe na cabeça das pessoas. a Empresa cresce não pela estratégia mas sim pelo domínio do seu sector. Assim qualquer um pode ser um grande CEO."
1
Conflitos nas portagens das SCUTs existe não é porque não existe outra solução, mas antes sim porque não existe a suficiente vontade politica de o resolver.
1
A segurança publica devia haver por exemplo 60 policias GNR para a segurança e 40 policias para a prevenção.
1
O policiamento a pé é mais eficaz na prevenção.
1
A moral é um frasco de cosmética que os partidos usam mas não passa de pura cosmética moral diabolizada nos media populistas.
1
A maior causadora da falta de oportunidade e da igualdade social, profissional, e económica, é a escolaridade de cada um de nós.
1
Quanto mais escolaridade um indivíduo tiver mais igual é a sociedade desenvolvida.
1
A resposta a crise também passa pela escola, escola, escola.
1
Ter uma nota com muitos zeros não quer dizer que é milionario.
1
Tal como o capitão do cruzeiro Costa Concordia queria mostrar o barco ao seu Irmão que encostou tanto o barco a Costa que acabou por o destruir.
1
Também o governo quer ser tão bom aluno que encosta tanto Portugal a Troika que acaba por levar o país para uma inclinação de alto perigo.
1
Onde já hoje o que se chama no terceiro mundo refugiados em Portugal tem o nome fino de emigração.
1
A deslocação do fabrico para fora da Europa de produtos alto consumo europeu, levou ao declínio social económico da Europa e ao enriquecimento em roda livre dos países não europeus.
1
Sem um investimento do norte da Europa no sul da Europa Portugal não se pode desenvolver. Pois a sua devida como escreveu este fim de Semana a imprensa Americana, Portugal já mais pode pagar a sua devida externa. Um tabu que não pode ser escondido ao povo português.
91xx
17.01.2012 - 23:22

Screenshots: (fotografar secretamente com um telemóvel o conteúdo no ecrã de um computador.)
Um grande presidente de uma empresa (os boys é igual) que caio em desgraça quando a sua empresa teve um grande perda e teve que mudar de administração.
Dizia o administrador: "De momentos ficamos sem motorista, sem um grande escritórios, com tapetes da Pérsia, sem secretaria, sem agenda, sem cartão de credito, fica-se um normal mortal.
"E isso é dramático para um administrador."
São esses privilégios que leva tanta gente a preferir ser Boy ou Girl.
Mais ele diz: "Toma um emprego que não seja estratégico porque a estratégia só existe na cabeça das pessoas. a Empresa cresce não pela estratégia mas sim pelo domínio do seu sector. Assim qualquer um pode ser um grande CEO."
Conflitos nas portagens das SCUTs existe não é porque não existe outra solução, mas antes sim porque não existe a suficiente vontade politica de o resolver.
A segurança publica devia haver por exemplo 60 policias GNR para a segurança e 40 policias para a prevenção.
O policiamento a pé é mais eficaz na prevenção.
A moral é um frasco de cosmética que os partidos usam mas não passa de pura cosmética moral diabolizada nos media populistas.
A maior causadora da falta de oportunidade e da igualdade social, profissional, e económica, é a escolaridade de cada um de nós.
Quanto mais escolaridade um indivíduo tiver mais igual é a sociedade desenvolvida.
A resposta a crise também passa pela escola, escola, escola.
Ter uma nota com muitos zeros não quer dizer que é milionario.
Tal como o capitão do cruzeiro Costa Concordia queria mostrar o barco ao seu Irmão que encostou tanto o barco a Costa que acabou por o destruir.
Também o governo quer ser tão bom aluno que encosta tanto Portugal a Troika que acaba por levar o país para uma inclinação de alto perigo.
Onde já hoje o que se chama no terceiro mundo refugiados em Portugal tem o nome fino de emigração.
A deslocação do fabrico para fora da Europa de produtos alto consumo europeu, levou ao declínio social económico da Europa e ao enriquecimento em roda livre dos países não europeus.
Sem um investimento do norte da Europa no sul da Europa Portugal não se pode desenvolver. Pois a sua devida como escreveu este fim de Semana a imprensa Americana, Portugal já mais pode pagar a sua devida externa. Um tabu que não pode ser escondido ao povo português.
91xx
17.01.2012 - 23:18
Um jornal sem Fórum é um jornal em decadência democrática.

Os Fóruns funcionam como garante da vivacidade da democracia.

A censura só serve os fracos.
Hegel
17.01.2012 - 23:04
Dois ou três comentários breves:
-Haverá algo em comum entre o socialismo nacionalista de Hitler, o socialismo internacionalista de Estaline e este diktat do capitalismo? Não tiveram todos a sua elite e a sua ''maralha''? Não tiveram todos a sua propaganda e os seus pretorianos? Não tiveram todos as suas sociedades secretas? Não induziram pobreza, sofrimento e desprezo pelo ser humano?
Não terão origem numa filosofia comum?
Não será isto o prenúncio da chamada ''Nova Ordem Mundial''?
-Não haverá hackers ao serviço de países como houve piratas ao serviço de Sua Magestade?
-E não haverá certos países que estão como sanguessugas para outros?
''Em política tudo o que parece é'' e hoje nada é o que parece...
Polex
16.01.2012 - 22:52
-
MPortugal
16.01.2012 - 20:27
Bravo, Sensor! Muito bom texto.
Jalopes
16.01.2012 - 16:13
Diz-se que o dinheiro não tem pátria, nem ideologia, nem religião. Mas não é o dinheiro: é quem o usa. O filósofo Arthur Schopenhauer escreveu: “ A riqueza influencia-nos como a água do mar. Quanto mais bebemos, mais sede temos. O mesmo vale para a glória."
FAQ
16.01.2012 - 15:45

Na Politica existem duas armas politicas que são mortais.



Uma é o Populismo a outra é a moral.

A moral destrói mais rápido um indivíduo.



Bastaria estas duas armas para levar o PS de novo ao poder.



Repara-se nos estragos políticos que casou ao PSD/CDS a nomeações politicas dos novos administradores da EDP e AdP , Caixa G. dos Depósitos e outras Centenas de tachos para amigos e camaradas e irmãos.

Também a Maçonaria provou o veneno do Populismo.



O Pingo Doce não disse vamos criar em 2012 tantos postos de trabalho em Portugal. Com esta mensagem tinha abafado muita critica.



As Multinacionais americanas tem rios de dinheiro fora dos EUA e não podem leva-lo para os EUA porque uma grande parte desse dinheiro era para o fisco americano. E eles não querem que isso aconteça por isso esse triliões de euros e dólares continuam nos bancos espalhados pelo mundo.

Também os triliões €-$ nos Offshores não voltam mais as origens se os governantes dos países das origens desses capitais não souberem com pinças cativar esses fundos. Eles vão para outros continentes e não voltam mais as origens.

Cabe ao governo Português saber cativar os mealheiros que as empresas e cidadãos nacionais tem no estrangeiro. E não reprimi-los e condena-los.

assim eles tais como as empresas americanas eles também não voltam mais para Portugal e vão para outros continentes.
parasol
16.01.2012 - 15:14
O Pingo Dce não temanunciado no SOL. ESpero ansiosamente o primeiro anuncio para o JAS "vêr" a luz e corrigir esta pequena deriva...
jordi24
16.01.2012 - 14:07
A deriva demagógica é transversal a toda a sociedade. JAS usa o seu proprio exemplo para provar isso mesmo.
Sensor
16.01.2012 - 13:31
Ah Saraiva ! Voltou a lucidez! Assim sim!

Mas como semiólogo amigo convido-o a aprofundar o seu exercício, e a levar mais longe as consequências.

E a compreender que estes bananas que agora governam Portugal (todos agora com uma psicanalítica bandeirinha fingida na lapela como já deve ter reparado) nada têm feito de diferente que Frei Soares dos Santos.

Frei Soares dos Santos que prega uma coisa e faz outra e Frei Soares dos Santos que confia mais nas mãos do estrangeiro que nas dele próprio. E Frei Soares dos Santos (que depois de tudo) continua de coração cego com a promessa do novo Evangelho - a "globalização selvagem".


PUB
PUB
Siga-nos
CD Carríssimas Canções de Sérgio Godinho
Assinaturas - Revista FEEL IT (PT)
Siga o SOL no Facebook


© 2007 Sol. Todos os direitos reservados. Mantido por webmaster@sol.pt