sábado, 19 de Abril de 2014, 18:04
Pesquisa
pesquisar
Emprego Imobiliário Motores
iPad
Desempregado há um ano conseguiu trabalho na Suíça em 15 dias

23 de Abril, 2011
A crise levou o engenheiro civil António Tomás para o desemprego há quase um ano. Sem conseguir trabalho em Portugal, foi para a Suíça e em 15 dias conseguiu um contrato: começa para a semana.

«Estou desde Maio do ano passado desempregado. Enviei imensos currículos e nem respostas 'sim ou não' obtive», conta à Agência Lusa o português de 35 anos.

Em Agosto do ano passado, António Tomás decidiu ir tentar a sorte na Suíça, onde tem família, mas a maior parte das empresas estava de férias e não teve «receptividade».

Em Setembro regressou a Portugal, onde tentou a sorte no interior do país, mas «foi muito difícil».

«Se não fosse a ajuda da família não teria sobrevivido para pagar as despesas de casa e de carro que tenho. Foi muito complicado», assegura.

No final de Março decidiu tentar novamente a sorte na Suíça, onde entregou directamente o currículo nas empresas.

«Estou aqui há 15 dias. Fui a duas entrevistas e numa delas deram-me uma oportunidade. Vou começar para a semana dentro da área da construção civil», diz à Lusa.

A empresa vai ainda dar-lhe uma formação intensiva de francês para dominar melhor a língua que terá de utilizar no trabalho, que é «similar ao que estava a fazer em Portugal».

«Estão a dar-me uma oportunidade que não tinha em Portugal neste momento. É um país que vale a pena. Tem uma condição social que ainda prevalece», afirma.

Também a nível salarial a situação é «muito satisfatória».

«Dá condições de podermos ter uma família aqui com esse salário, mesmo sem a mulher estar a trabalhar», garante.

Levar para a Suíça a mulher, ex-funcionária pública também desempregada, e a filha é o objectivo de António Tomás, assim que «tiver condições para ter um apartamento».

Ter a família junto de si é também uma mais valia junto da empresa para onde vai.

«Perguntaram-me logo se a intenção era trazer a família. Querem que esteja presente porque consideram que um empregado que tenha a família por perto está melhor psicologicamente», diz.

Sublinhando que não sabe se «foi sorte ou não», António Tomás aconselha todos os jovens a «não hesitarem».

«Se tiverem uma oportunidade saiam. Gosto muito do meu país, mas infelizmente…», refere.

O engenheiro civil conta também que ainda tentou montar um pequeno negócio em Portugal, mas «as portas fecharam-se».

«Os impostos necessários e as exigências são tantas que, mesmo que a gente tenha ideias, ficamos à margem», lamenta.

«Tenho pena porque estudei aí, cresci aí e acho que é um país que tem uma valência muito grande se tiver políticos à altura», conclui.

Lusa/SOL

 




16 Comentários
Renato Nunes
25.04.2011 - 03:38
Quando houver mais desemprego e fome generalizada em Portugal ate o RIPPI ROPI se vai oferecer para lavar pratos. Qual escravatura qual carapuca. Quem nao gosta de trabalhra e de andar de corpo direito sem nada fazer encontrar trabalho.
Esse jovens ( muitos que por ai andam a vadiar e em protestos )que tirarem curso superiores se forem para fora nao lhes faltara trabalho.
Mesmo em crise a falta de trabalho e so grave a nivel de gente nao especializada.
Alguem com formaco superior -- desde que naos seja umd desses cursos que por ai ha que so servem para ter canudo e emprego publico...isso nao vale nada fora de Portugal -- sempre encontra trabalho. Claro, no principio ( geralmente nos primeiros 2 anos ) passam-se algumas dificuldades, tem de se fazer sacrificios ( adaptacao ao meio ) e sentimos grandes saudades , mas tudo se ultrapasa e os resultados quase sempre sao bons. Eu falo porque sei. Sou emigrado ha 40 anos e nos primerios anos na Diaspora ainda pensava em regressar ao meu Portugal mas agora -- especialemente agora ! -- ja nem penso nisso...
londonuk
24.04.2011 - 08:23
Muitos la deveriam ir tirar cursos de responsabilidade,honestidade e respeito pelo proximo.
Rtheghost
23.04.2011 - 20:50
O quê? Lavar pratos é escravidão? Então a partir de agora depois das refeições digo aos pratos: "tomem banho sozinhos que não sou vosso escravo"...!
pedrox
23.04.2011 - 20:22
Quem já esteve na situação de desemprego e tentou criar o seu proprio emprego ou uma micro empresa sabe perfeitamente o que este senhor se deu conta ,porque só quem passa por esse processo é que sabe o que é a burocracia e a chulice indecente deste pais...compensa muitomais receber o fundo de desemprego por inteiro e não fazer a ponta de um cornoo,quem quizer trabalhar eles tratam-nos como se estivessem a fazer-nos um grande favor,e então as finanças e camaras a chular é indecente a obtençao das licensas,escrituras ,registos ,alvarás e todas as taxas é um autentico calvario, e um roubo!Não se pode trabalhar é quase crime,portanto enquanto os governantes assim procederem, este pais não tem futuro ,espero bem que o FMI se aperceba da razão porque este pais afundou!
mundonovo50
23.04.2011 - 19:40
a desgovernaçãop dos últimos anos está a fazer com que a maioria dos jovens tenham que emigrar, os politicos da treta que nos desgovernam acompanhados dos empresários da treta querem que Portugal passe a ser uma espécie de quinta onde os senhores serão servidos por uma multidão de escravos.
Portugalix
23.04.2011 - 18:24
paulopires68f
23.04.2011 - 16:51

Continuas um aldrabão do piorio, não fosses tu um XUXA miserável que faz parte do bando que rouba Portugal……anda cá vou-te contar um segredo chega cá o ouvido……Vai tomar no………

http://www.youtube.com/watch?v=QPCqNs3Ua9A&feature=related

Kalvin
23.04.2011 - 18:04
3) A metodologia do despedimento via aconselhamento jurídico é simples, mas eficaz, ainda que ao nível do comportamento típico do crime organizado.

Desde a pressão psicológica que tanto pode ser combinada com colegas eventualmente até familiares ou amigos da entidade patronal proporcionando cenários que visem a humilhação pública do alvo passando pela forma incompleta como se dá trabalho a ponto de um funcionário não poder executar uma tarefa por muito experiente que seja pois não tem elementos suficientes para a fazer passando até por provocações públicas visando a chamada "explosão" ou "fúria" do funcionário, todos os métodos são possíveis, daí que um bom trabalho para os Serviços de Informações seria precisamente contratarem pessoal qualificado nas mais diversas áreas, desde os simples operários passando por quadros médios e superiores em engenharia, medicina, ensino, etc.

Um agente do SIS seria ouro sobre azul, pois seria aquela pessoa que tinha os requisitos necessários para a empresa Y e mais, se a empresa Y gostava de referências a titulares, o agente do SIS poderia ser até indicado pelo governo ou por deputados, o que o colocaria logo à frente dos restantes candidatos. A partir daí seria fácil observar todo o comportamento empresarial, transmiti-lo ao MP e o resto surgiria naturalmente.

O lema de qualquer empresário ao admitir alguém deveria ser simples. Presta ? Sabe trabalhar ? Admite-se. Não presta ou ao fim de X tempo experimental viu que não sabe trabalhar ? Demite-se. Agora não porque fulano é sobrinho do Soares ou primo do Coelhone, do mesmo modo que não vai demitir e prejudicar um funcionário se algum cliente importante não gostar dele porque pretenda proteger algo ou atingir alguns objectivos menos claros. Tudo hipóteses que dariam mais verba e postos de trabalho para um SIS.

Trabalhem, recompensem quem trabalha e não sejam tão corruptos e vão ver como se deixa de falar de crise...
apanhabilhas
23.04.2011 - 18:03

Rippi Roppi
23.04.2011 - 16:39

""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""
a lavar pratos e trabalhos de fascina, a única vantagem é que se ganha muito bem , porque o trabalho é de escravatura
""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""

Ouve cá ó tu!!!!!

Na Suiça não há Escravatura, e as pessoas aceitam ou não se lhes interessa o trabalho!!!!

O Salário minimo a lavar pratos ou caçarolas, é de 3600.-- Francos Suiços! Se um euro (€) vale 1.30 = 2770 Euros x 200.432 = 555.000 contos de velhos escudos! Se fôr apurado ganha num ano 24.000 euros!!!!!!!!!!!!!!!!!

Simples e bom não? Melhor do que 485 €


Hahahahah
Kalvin
23.04.2011 - 17:50
2) Quando se pensa em contratar escritórios de advogados cujos elementos cobram 5000 euros por hora para se correr com um empregado ou quando se admite alguém nos recursos humanos de uma empresa para aconselhar os que rodeiam um alvo a abater a boicotarem-lhe o trabalho, é normal se amanhã essas empresas vierem a ter problemas financeiros, dado que o tempo que perderam a tentar prejudicar cada um andaram a brincar com as finanças da mesma.

Regra geral, muitos recursos humanos em Portugal não sabem seleccionar, daí que a esmagadora dos chamados cérebros deste país tenham partido para o estrangeiro.

Não me interessa saber a opinião de A ou B sobre alguém que queira avaliar na minha área, pois ou tenho competência e sei trabalhar ou não sei e se sei, poderei fazer as perguntas certas para saber se determinado funcionário presta ou não, prescindindo de opiniões de pessoas que desconheço. O "tuga" sempre gostou muito de cartinhas de recomendação, algo que os países evoluídos ignoram pois admitem a pessoa se sabe trabalhar e quanto ao resto estão-se nas tintas.

Demonstrar que os RH portugueses não têm razão é fácil. Uma mulher que tenha sido vítima de assédio sexual por um patrão, por exemplo, se o departamento de RH for composto por burros e for telefonar para o patrão a perguntar como é que ela era profissionalmente, escusado será dizer-se qual a resposta que este irá dar sobre a funcionária. Alguns departamentos de RH que não sabem trabalhar podem sempre contratar o SIS, sempre o trabalho era mais bem feito e pelo menos o SIS detectaria outras coisas, nomeadamente anomalias graves que pudessem ter ocorrido com a entidade patronal anterior do candidato ou algo no género que lhe fossem alheias e quem sabe se esses departamentos de RH até contribuiriam para diminuir a criminalidade, nunca se sabe.

Por exemplo, se o candidato tiver sido vítima de algum crime, sobretudo se organizado, nem na Suiça se safava e o SIS até era uma mais valia para esses casos !
Kalvin
23.04.2011 - 17:42
1) Não surpreende, embora ainda bem que conseguiu nem que tenha sido ao fim de um ano. O gestor típico português não quer gente experiente mas sim miúdos saídos da universidade, mesmo sem experiência.

O motivo é simples, aos miúdos exige-se que aprendam a trabalhar rapidamente e bem, mas para efeitos de vencimento são aquilo que são na realidade, por muito bons profissionais que alguns até demonstrem ser mal terminam a universidade: júniores, logo, novos, ordenados baixos e precários.

Em Portugal, só quando a PJ começar a ser chamada para investigar não apenas as falências mas também infiltrando-se nas empresas e observando o que lá se passa é que talvez este país melhore, pois quando a generalidade vir meia dúzia de caciques a levarem umas algemas nas mãos, nessa altura os outros deixarão de brincar com o povo português e começam a assumir uma postura profissional, que actualmente muitos não terão, a avaliar pelo modus operandi das falências em Portugal caracterizado por algo típico, compras de vulto em material de luxo, prémios de mediocridade para administradores ( é assim que designo prémios para indivíduos que atiram empresas para a falência ) e logo a seguir começam a alegar que há crise, que têm de conter despesas e que há necessidade de reduzir pessoal.

Portugal tem sido governado por medíocres, não apenas na política mas também em muitas das chamadas grandes empresas, onde é admitido o filho do senhor X porque o X é político ou aquele empresário que até pode dar um bom negócio à empresa que o admitiu, etc.

Se muitos os procuram em vez de trabalho, o certo é que muitos empresários preferem oferecer tachos a incapazes do que contratar pessoal competente. Afinal, porque não admitir um ex-político mesmo que seja uma nódoa se depois as adjudicações estarão no papo por natureza ?

Depois, algumas empresas, o dinheiro que esbanjam com advogados para correr com pessoal mais valia utilizarem-no para recuperarem as próprias empresas.
paulopires68f
23.04.2011 - 16:51
Então foste um sortudo!
...é que a coisas na Suíça não estão nada bem, muito desemprego e miséria
(eu também tenho família e amigos na Suíça e sei do que falo...!)
Rippi Roppi
23.04.2011 - 16:39
a lavar pratos e trabalhos de fascina, a única vantagem é que se ganha muito bem , porque o trabalho é de escravatura
estoria
23.04.2011 - 16:30
O que se espera?! Comparar uma merdalheira drsgovernativa em que transformaram portugal com um país civilizado, decente e bem governado, é comparar o dia com a noite!"pena" não tenhas pena nenhuma, a tua pátria é a terra que te trata bem e em que tens qualidade de vida! Olha, não cometas é os erros dos emigrantes mais velhos, sacrificam-se metem tudo na merdalheira portuguesa e cometem o erro de voltar, para a dsgraça, em vez de investirem no país que lhes dá qualidade de vida! Se pudesse emigrava já! Isto não interessa a ninguém, está cheio de F. da P. a roubar, é no desgoverno, na in-justiça, na assembleia d arepública das bananas podres, nas presideências, nas empresas públicas, na saúde...
ASS1719
23.04.2011 - 16:12
PORTUGAL NECESSITA DE IMEDIATO DAR UMA VOLTA DE 180 GRAUS. OS PARTIDOS POLÍTICOS, DEVEM ACABAR, E SURGIREM OUTROS MAIS HONESTOS E TRABALHADORES. ESTES SENHORES JÁ ESTÃO TÃO VICIADOS, QUE PROCURAM DAR UMA LAVAGEM, PARA ENGANAR OS PORTUGUÊSES. NAS ELEIÇÕES, NINGUÉM DEVIA VOTAR. OS PAÍSES ARÁBES, DÃO-NOS O EXEMPLO DA DEMOCRACIA, RUA COM ESTA GENTE. QUEM PROVOCOU ESTA SITUAÇÃO DO DESEMPREGO, FORAM OS POLÍTICOS, COM AS POLÍTICAS ERRADAS. ESPREMERAM AS PME, E NO ESTADO, NOMEARAM OS AMIGOS, COMPADRES, AMANTES, NAMORADAS, NAMORADOS, SOBRINHOS SOBRINHAS, AFILHADOS ETC. GENTE TÃO INCOMPETENTE, QUE ESTÁ NA FUNÇÃO PÚBLICA, (NÃO ESTOU A GENERALIZAR, OS TRABALHADORES SÉRIOS, COMPETENTES E HONESTOS, CONTAM-SE PELOS DEDOS ) EMPRESAS E INSTITUTOS PÚBLICOS, QUE NÃO SABEM ABSOLUTAMENTE NADA DE NADA, E ESTÃO COMO DIRETORES DE DEPARTAMENTO, DIRETORES, CHEFES, CHEFES DE DIVISÃO, ADMINISTRADORES ETC. REBENTARAM COM TUDO QUE ESTAVA DEVIDAMENTE ESTRUTURADO E ORGANIZADO. HOJE O ESTADO, ESTÁ COMPLETAMENTE DESORGANIZADO, DAÍ AS TAIS DERRAPAGENS, E GASTOS QUE ATÉ ASSUSTAM. O IEFP, ESTÁ CHEIO DE DIRIGENTES INCOMPETENTES, COM SALÁRIOS MILIONÁRIOS, ESTES TODOS DO PS, DESORGANIZAÇÃO TOTAL, AS CHEFIAS ANDAM ÀS ARANHAS, É UMA GRANDE VERGONHA. MEIA DÚZIA DE ANOS NA CARREIRA, JÁ ATINGIRAM O TOPO DA CARREIRA. HÁ GENTE COMPETENTE QUE ESTÁ NO DESEMPREGO, É O MAL DESTE PAÍS. ANDAM OS PRIVADOS A PAGAR IMPOSTOS ATRÁS DE IMPOSTOS, PARA NADA. NÃO HÁ DINHEIRO QUE SEJA SUFICIENTE, POIS É SÓ ESBANJAR À GRANDE E À PORTUGUESA, ATÉ QUANDO...SÓ COM UM LEVANTAMENTO POPULAR, É QUE ESTE REGABOFE ACABA. 25 DE ABRIL...NÃO...OBRIGADO.
Quetzal
23.04.2011 - 14:03
Pois ai esta o grande problema que os Português enfrentam!!!!A elevada Burocracia e a carga fiscal exorbitante que exigem mais as respectivas taxas e ainda a empresa não tem alvará para trabalhar e as finanças e a segurança social cai em cima sem dó nem piedade!Ninguem pode estar três anos á espera de um alvará, três anos para poder trabalhar?????? ,ou então tem que untar as mãos muito bem untadas para apressar as coisas,ISTO É UMA AUTENTICA DESGRAÇA!É UMA VERGONHA!
pseudantonimo
23.04.2011 - 13:36
Queiram fazer propostas para melhorar Portugal e votar outras no "portaldademocracia.com" que está aberto a todos. Agradecido.


PUB
PUB
Siga-nos
CD Carríssimas Canções de Sérgio Godinho
Assinaturas - Revista FEEL IT (PT)
Siga o SOL no Facebook


© 2007 Sol. Todos os direitos reservados. Mantido por webmaster@sol.pt