segunda-feira, 21 de Abril de 2014, 6:23
Pesquisa
pesquisar
Emprego Imobiliário Motores
iPad
Homem e mulher julgados por furto de leite achocolatado

23 de Fevereiro, 2012
O Tribunal de Vila do Conde está a julgar um homem e uma mulher por alegado furto de 56 packs de leite achocolatado de um hipermercado, com um valor unitário de 1.99 euros, no montante global de 111.44 euros.

No despacho de acusação, a que a Agência Lusa teve acesso, o Ministério Público (MP) defende que os arguidos, «no dia 8 de Fevereiro, cerca das 10h30», dirigiram-se a um hipermercado de Vila do Conde para «subtrair bens e objectos».

Sustenta a acusação, que, «em execução do plano previamente delineado e concertados entre si», os dois elementos «pegaram num carrinho de compras e carregaram-no com 56 packs de leite achocolatado». De seguida, tentaram «passar a linha de caixa sem efectuarem o pagamento», mas acabaram por ser «interceptados e detidos».

Segundo o MP, os dois arguidos «agiram em concertação de esforços e intentos, de forma livre, voluntária e consciente».

Durante a primeira sessão, que decorreu na segunda-feira, a magistrada do MP solicitou a inquirição da operadora de caixa e requereu a visualização das imagens de videovigilância.

A juíza disse que iria analisar o requerimento da magistrada e que daria uma resposta à pretensão do MP na próxima sessão agendada para segunda-feira, no Tribunal Judicial da Comarca de Vila do Conde, pelas 14h.

Lusa/SOL




11 Comentários
MPortugal
23.02.2012 - 21:46
Já que este tribunal é tão rápido, deviam mandar para lá o processo do BPN.Embora num caso a fraude seja de uns patacos e no BPN seja apenas a mior fraude financeira de sempre em Portugal....
Zedk
23.02.2012 - 19:23
quijote
23.02.2012 - 15:11

Não nasci comunista. Foi e é a minha vida e a vida dos outros que me faz assim mas, não sou político, nem filiado em qualquer partido.
Tenho a minha dignidade: Chamar-lhe-ia, por resposta, nazi-fascista, salazarista ou outra qualquer mherda mas a minha formação moral não desce tão baixo.
Leia abaixo - vampire 16.13, a quem estou grato.
pixafeita
23.02.2012 - 18:42
Pois eu já percebi:

O grande problema do BPN é não saber a Nesquik...
AnaKosta
23.02.2012 - 17:48
Ainda não percebi a função dos seguranças nos supermercados. Não é para evitar este tipo de coisas? Impedir que haja roubos e que cheguem ao tribunal? Recuperar a mercadoria furtada, dar uns abanões ou sermões aos infractores e pô-los porta fora e dizer-lhes para nunca mais aparecerem na loja? Não, senhor, não fazem nada disso. Passam o tempo no mexerico com as empregadas ou então dedicam-se a assediar clientes inofensivos com quem embirrem. Gunas e desordeiros, tá quieto, fogem deles como o diabo da cruz, e deixam-nos roubar à vontade, com medo das represálias. Só apanham destes ladrões incompetentes e inofensivos, tipo velhinhas e sem-abrigo, fazendo questão de chamar a polícia, para apresentar serviço.
george
23.02.2012 - 17:03
Agora já percebi porque é que a justiça portuguesa não tem tempo para julgar o Isaltino antes de os seus alegados crimes prescreverem.
Vampire
23.02.2012 - 16:13
Não vai ser imputado nem ás vitimas nem aos criminosos.
Vamos nós pagar todos...
A multa vai ser sempre inferior ao valor do processo e advogados. E quem paga somos nós porque até ajudas judiciais somos nós o que suportamos.

Este processo foi iniciado na mesma altura em que a Sara Norte foi presa em Espanha e a mesma já foi julgada.
Vamos ver quanto tempo este processo da treta vai demorar em Portugal...
quijote
23.02.2012 - 15:11
As custas dos processos judiciais devem ser e são imputáveis aos criminosos não às suas vítimas. Quem tem de pagar a custa deste processo é o criminoso, não o comerciante roubado.
A comunada, vide o Zeca aqui abaixo, parece que quer que a justiça seja paga pelas vítimas.
novesfora
23.02.2012 - 14:57
NÃO TEM IMPORTANCIA. não podem pagar e se forem para a cadeia têm comida à borla.
Zedk
23.02.2012 - 14:57
A lei de excepção dos supermercados tem de ser revista e melhorada. Cada caso de participação custa ao Estado milhares de Euros e o consequente atraso de processos, bem mais importantes para a sociedade.
Uma, se mais não houver, medida que se impõe e a de imputar aos estabelecimentos TODAS as despesas provocadas com o respectivo processo, desde a aceitação da queixa, até à decisão judicial.
Como está aparenta que a justiçs só existe para julgar actos lesivos de supermercados e de empresas de telefones móveis, parecendo regularem-se por CPP diferente.
Haja Justiça mas, não falte a moral.
quijote
23.02.2012 - 14:42
Mão pesada nestes pretos.
joao1960
23.02.2012 - 13:45
Prisão preventiva para esses criminosos ...

Que é feito do Isaltino ? Já está a cumprir a pena a que foi condenado? E os PEDÓFILOS da Casa Pia ?


PUB
PUB
Siga-nos
CD Carríssimas Canções de Sérgio Godinho
Assinaturas - Revista FEEL IT (PT)
Siga o SOL no Facebook


© 2007 Sol. Todos os direitos reservados. Mantido por webmaster@sol.pt