quarta-feira, 16 de Abril de 2014, 8:15
Pesquisa
pesquisar
Emprego Imobiliário Motores
iPad
Taxas para passeios a pé nos parques naturais são 'uma aberração', diz eurodeputado do PSD

27 de Abril, 2012
O eurodeputado do PSD José Manuel Fernandes classificou hoje como «aberração» a introdução de taxas para passeios a pé em áreas protegidas e apelou ao Governo para acabar «rapidamente» com aquela medida.

«É inaceitável que o Parque Nacional da Peneda-Gerês e outras paisagens protegidas sejam apenas para elites», referiu José Manuel Fernandes, que falava numa iniciativa promovida pelo Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca sobre a defesa da floresta e da biodiversidade.

Para o deputado do Parlamento Europeu, é «uma aberração» a taxação de grupos de caminhantes em 152 euros, com a agravante de terem de solicitar autorização com 40 dias úteis de antecedência.

Lembrou que, «para cúmulo», andar de carro no Gerês pode custar apenas 1,5 euros e isto apenas entre Junho e Setembro e na Mata da Albergaria.

«Como se andar a pé fosse mais poluente e ameaçador para a biodiversidade do que um automóvel», criticou.

José Manuel Fernandes, membro da comissão do ambiente e saúde pública no Parlamento Europeu, mostrou-se esperançado que o actual Governo «altere rapidamente esta aberração, introduzida pelo anterior executivo socialista liderado por José Sócrates, através de portaria publicada no início de 2011».

Na terça-feira, a presidente do Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade disse à Lusa que a taxa é um meio para proteger os locais de acesso restrito dos parques naturais e sublinhou que apenas é aplicada a zonas «consideradas de protecção total».

Segundo Paula Sarmento, a «verificação das condições em que essas actividades de visitação são efectuadas implica a emissão de um parecer e é esse parecer que é referido com o valor de 152 euros».

Por sua vez, o Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território afirma que as medidas de restrição de acesso em áreas protegidas têm como objectivo a manutenção e preservação dos ecossistemas naturais

Lusa/ SOL




6 Comentários
CMDR
28.04.2012 - 17:46
Para os mais distraídos... isto é pagar pelo ar que respiramos, pois vamos para esses parques pelo ar mais puro!!!
Zedk
27.04.2012 - 23:53
Se explicarem quem emite os parsseres e quais os benefícios que as áreas protegidas recebem graças a tais cobranças, talvez haja alguém que entenda. Não basta "parsser", é necessário que realmente seja um ganho para a natureza.
veritatis
27.04.2012 - 23:02
A pouco e pouco chegam ao que tenho escrito. Falta uma taxa para quem sai à rua e gasta pedra dos passeios....salteadores eram os que saiam a caminho e roubavam os caminhantes....eram!
Viriatum
27.04.2012 - 22:33
A taxa de ir à casa de banho já existe.
Vem na conta da água e chama-se saneamento.
.
Sobre bufas silenciosos e peidos sonoros está pra sair a lei.
R2M
27.04.2012 - 20:43
Até já deve estar preparadinho, nalguma gaveta de um ministério qualquer, um diplomazinho, pronto a ser aprovado, que determine uma taxa de ida à casa de banho. É que isso polui. OH, se polui!!!
erm2011
27.04.2012 - 20:30
Ó gente maluca, então tem que se pagar para passear em parques naturais? Daqui a pouco pagamos para andar na rua? Arre, poça que é demais.


PUB
PUB
Siga-nos
CD Carríssimas Canções de Sérgio Godinho
Assinaturas - Revista FEEL IT (PT)
Siga o SOL no Facebook


© 2007 Sol. Todos os direitos reservados. Mantido por webmaster@sol.pt