quarta-feira, 16 de Abril de 2014, 8:14
Pesquisa
pesquisar
Emprego Imobiliário Motores
iPad
Portugueses são os mais 'complacentes' com austeridade, diz New York Times

8 de Junho, 2012
A população portuguesa é a mais «complacente» entre os diversos países da «zona de austeridade» na Europa, «pouco protestando» contra os cortes orçamentais ou aumentos de impostos, escreve hoje o New York Times.

Numa reportagem feita em Portugal, com chamada à primeira página do influente diário norte-americano, o jornalista Scott Sayare relata encontros com pequenos comerciantes, com uma empresa de mobiliário a atravessar dificuldades, a Tema Home, e com o sociólogo António Barreto, entre outros.

«A avaliação de cabeça fria» feita por um pequeno comerciante de que «as coisas podiam estar piores» é «um sumário fiel da abordagem [de Portugal] à crise do euro», escreve Sayare.

Na Grécia, a austeridade «na mesma linha» da vivida em Portugal «desencadeou o caos e a fúria nas ruas de Atenas e levou à escalada do extremismo político».

Ainda assim, «a maioria das pessoas na zona de austeridade - que inclui Irlanda, Grécia e Portugal – parece aceitar o fardo. Mesmo os irlandeses, que esporadicamente se rebelaram contra o seu governo, aprovaram o tratado fiscal da União Europeia por uma margem saudável».

«Talvez em nenhum outro lado, contudo, as pessoas estão tão submissas como em Portugal. Mês após mês, o governo implementou cortes orçamentais, aumentos de impostos e leis laborais mais frouxas exigidas pelos seus credores internacionais, com poucos protestos dos portugueses», escreve o jornalista do Times.

O sociólogo António Barreto afirmou ao diário norte-americano que «esta geração não quer perder o que tem», adoptando um misto de «complacência e sabedoria».

Apesar da avaliação positiva do Fundo Monetário Internacional no cumprimento do programa de ajuda externa, refere o jornal, a «paciência» dos portugueses será testada nos próximos anos, com a contínua subida do peso da dívida pública em relação ao PIB e taxas de juro nos mercados em dois dígitos.

Com uma circulação média diária de 1,6 milhões de exemplares, o New York Times é o terceiro diário mais lido nos Estados Unidos, atrás do Wall Street Journal e USA Today.

Lusa/ SOL




21 Comentários
paralelo40
10.06.2012 - 18:19
quijote
09.06.2012 - 18:59


As "nossas colónias" ?
Nós roubámos aquilo fizemos deles escravos, desfizemos famílias para levar muitos para a escratura no Brasil, retornados governavam-se lá a escravizar as pessoas de Angola, Moçambique, Guiné, etc. Eram pessoas sem pátria, que abalavam daqui porque não tinham lugar em Portugal e foram dedicar-se á roubalheira de povos, impondo-lhes a sua cultura e escravizando-os. Claro que eles demoraram a lutar pela independencia, Mas tu parece que também és dos que se governam em malabirismos lixando os outros. Gostavas que um país poderoso viesse aqui e nos pisasse e roubasse Portugal? Que fazias? Tu és um extremista de direita que pensas "AS NOSSAS COLÓNIAS" nÓS, pORTUGUESES DEMOCRÁTICOS TAMBÉM PENSAMOS " QUE GAJOS COMO TU TÊM DE SER ELIMINADOS DESTE PLANETA ".
paralelo40
10.06.2012 - 18:06
Zedk
09.06.2012 - 19:46


Concordo com tudo o que diz. Então retornados, habituados a ter dezenas de trabalhadores e não pagar a nenhum, como muitos conhecidos e familiares me diziam; Retornados que vieram fazer vigarices á conta do então IARN. Salazarentos nos governos desde a primeira legislatura em 1976 ..... e muitos mais. Meteram-nos a caminho da miséria, paulatinamente, cinicamente, gananciosamente. Só mesmo uma guerra civil, que os interesses instalados não mudam com leis, que eles próprios vêm fazendo.
cunhajoaquim
10.06.2012 - 12:16
Tal passado,tal presente.
Somos um povo com a mesma falta de formação e cultura politica.Isto tem sido benéfico para os politicos e para os que nos tem governado desde 76.
Infelizmente continuaremos a ser eternamente isto.
Vale a pena ser politico e governante neste país.

Miguelmartel
10.06.2012 - 00:53
Infelizmente, é produto de uma certa irresponsabilidade e fraqueza de carácter. Somos bem diferentes daqueles que "deram novos mundos ao mundo" e os nossos dirigentes não os têm no sítio como o governante que disse: "para Angola, já e em força!"
Zedk
09.06.2012 - 19:46
paralelo40
09.06.2012 - 12:20
Acho que tem razão, mas eu esplico: Quer a sorte, quer a morte, nada querem com gente como esse anátema que se faz identificar por quijote, ex-tokarev para quem aqui anda há mais tempo.
São os ex- e seus descendentes directos, que connosco continuam a coabitar este país, os principais culpados desta situação, tão do agrado dos empedrenidos caciques, pides, retornados e descendentes, a quem legaram o seu egocentrismo/salazarismo/fascismo, aliados aos políticos e serventuários do antigo regime.
Há excepções ? Quero acreditar que sim mas, isso só confirma regra.
Passaram duas gerações sobre a libertação do jugo da ditadura. Acredito que a quinta geração será a geração de ouro deste País, se até lá não trovejar
quijote
09.06.2012 - 19:02
E corremos mesmo o risco da entrega do próprio país aos comunistas descendentes dos soviéticos.
quijote
09.06.2012 - 18:59
Portugal foi o único país cujo exército entregou as suas colónias sem luta ao inimigo soviético. São cornos mansos certificados e confirmados.
joseduarte
09.06.2012 - 15:36
Meus amigos, é oficial: somos os maiores CORNOS MANSOS da Europa, quiçá do Mundo!

Viva Portugal, terra dos carneiros destomatados!
paralelo40
09.06.2012 - 12:20
Por isso é que os politicos e especuladores fazem de nós o que querem.
Não nos unimos, não lutamos juntos. Cada um olha para o seu umbigo. Os professores só lhes interessa falar do k lhes interessa. Os médicos, , polícias, sargentos e tantos outros igual. Os que trabalham nas obras nem poder tÊM, OS DA INDÚSTRIA TAMBÉM, ASSIM COMO DO COMÉRCIO. sE TODOS OLHASSEM POR TODOS, SE TODOS COMPREENDESSEM QUE A SUA MELHORIA DE CONDIÇÕES TEM OBRIGATÓRIAMENTE DE PASSAR PELO BEM DOS OUTROS, ENFIM, SE TUDO FOSSE UNIDO ..... MAS O QUE O REI QUER É MESMO DIVIDO, PARA ELE REINAR.
nilo00
09.06.2012 - 10:31
Estão sempre à espera que sejam os "outros" a tomarem as iniciativas,e a crise ainda não chegou verdadeiramente a todos, (nunca chegará),talvez seja este um dos motivos pelo qual o povo está sereno e continua a haver submissão
52A49128Y
09.06.2012 - 08:42
Há silêncios que podem ser ensurdecedores!!
JJBAUBAU
09.06.2012 - 00:50
Neste país só protesta quem se sente roubado ou enganado. Tanto ladrões como chulos, aguardam no silêncio, melhores dias. NO fim, MERECEM!
blueberry
09.06.2012 - 00:49
Complacentes? pois, já lhe ouvi chamar muita coisa... e também começa por c....
QUIMRITA
08.06.2012 - 23:09
Há um velho ditado que diz que a paciência tem limites. Não nada pior do que acumular/reter coisas que nos incomodem ou nos causem mau estar.
jcrf09
08.06.2012 - 22:52
Portugueses são os mais 'complacentes' com austeridade, diz New York Times...

...We were born to suffer !!
gipsyking
08.06.2012 - 22:47
Méé... Méé...
GALAICOLUSITANO
08.06.2012 - 22:35
QUALQUER DIA ESSE PASQUIM TITULA: «PORTUGUESES PIOR QUE O DIABO Á SOLTA».
BASTA QUE CONTINUEM A CORTAR SALÁRIOS.
quijote
08.06.2012 - 20:51
Aos inimigos do euro não interessa esta atitude dos portugueses mas sim uma atitude contestatária que lhes permita fazer falir Portugal e liquidar o euro.
Zedk
08.06.2012 - 19:35
Tal como os burros de nora... Tapam-se-lhe os olhos, pendura-se uma alcofa, com alguma palha, na cabeça e ele só parará quando, exausto, sedento e esfomeado, cair para o lado.
Zedk
08.06.2012 - 19:35
Tal como os burros de nora... Tapam-se-lhe os olhos, pendura-se uma alcofa, com alguma palha, na cabeça e ele só parará quando, exausto, sedento e esfomeado, cair para o lado.



PUB
PUB
Siga-nos
CD Carríssimas Canções de Sérgio Godinho
Assinaturas - Revista FEEL IT (PT)
Siga o SOL no Facebook


© 2007 Sol. Todos os direitos reservados. Mantido por webmaster@sol.pt