Opiniao

Os amigos dos pensionistas

Não é de bradar aos Céus ver os partidos da anterior coligação governamental, que passaram anos no Governo a cortar os rendimentos dos pensionistas, e a tentarem pôr contra os pensionistas os trabalhadores no ativo, serem agora os campeões dos aumentos de pensões? Não deveriam ter umnadinha mais de vergonha, e afastarem primeiro as suas lideranças (bem sei que que Portas já vai a caminho da porta, mas a substituta que aparece pertenceu ao mesmo Governo e com igual entusiasmo; e Passos lá continua, até que o partido pró Marcelo o remova).

De resto, não seria de avisar o CDS de que a coligação governamental caiu e acabou? Digo isto por ter visto um dirigente daquele partido defender ainda as políticas do anterior Governo. Seria por se sentir corresponsável pelas desgraçadas previsões e medidas do centrista Paulo Núncio nos Impostos que eram para devolver (mas afinal nem eram para devolver)?

Será que Rui Rio foi à TV falar do Banif, contra o Banco de Portugal e evidentemente o anterior Governo (embora tenha procurado manter-se explicitamente – que não implicitamente – contido nesta parte), porque já decidiu desafiar Passos Coelho no Congresso do PSD, e seguir Marcelo (de que foi secretário-geral) na renovação do partido dentro dos seus princípios de sempre?

E será possível, como se anuncia nos jornais, que Passos Coelho consiga varrer da memória colectiva a indiferença do seu Governo perante o eleitorado português (chamava até ‘eles’ aos contribuintes de que naturalmente se punha de fora), e consiga agora apresentar-se como um político do centro? Não seria curial, ao menos, o PSDmudar toda a direção ‘passista’, para virar credivelmente ao centro? Não seria realmente preferível colar-se o Partido ao seu militante e Presidente eleito?