Reino Unido: campanha pelo “não” à vista

Boris Johnson, mayor de Londres e deputado conservador, anunciou ontem que vai fazer campanha para a saída do Reino Unido da União Europeia. “Vou fazer campanha para [o Reino Unido] sair”, avisou.

O aviso chegou depois de o primeiro-ministro britânico, David Cameron, ter pedido a Johnson que aceitasse a permanência do país na UE. “Digo a Boris [Johnson] e digo a todos os outros: seremos mais fortes, estaremos mais seguros e estaremos melhor dentro da UE”, disse Cameron em entrevista à BBC.

Iain Duncan Smith, ministro britânico do Trabalho e das Pensões, é também a favor do “não”. Para o ministro, as políticas de imigração europeias fazem com que o Reino Unido “seja muito mais vulnerável a um ataque terrorista como os de Paris”, acrescentando que, com essas mesmas políticas, o país “não pode controlar ou saber exatamente quem está a chegar”.

No sábado, David Cameron informou que o referendo sobre a permanência do Reino Unido na UE ficou marcado para 23 de junho, depois de um  acordo alcançado em Bruxelas com os parceiros comunitários.

Contudo, as opiniões dividem-se tanto para eleitores como para o governo. Para Cameron, uma eventual saída da UE daria ao seu país uma “ilusão de soberania”.