Auxílio à imigração ilegal: Homem e empresa constituídos arguidos

De acordo com o serviço, estas diligências permitiram dar mais um passo numa investigação iniciada em 2020 e na qual está em causa o crime de auxílio à imigração ilegal, envolvendo uma empresa de trabalho temporário.

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) constituiu esta quinta-feira como arguidos um homem e uma empresa e procedeu à realização de duas buscas, em Albufeira, numa investigação por auxílio à imigração ilegal.

A autoridade deu hoje cumprimento a dois mandados de busca e apreensão, um em domicílio e outro em estabelecimento comercial, o que permitiu apreender "cerca de cinco mil euros em numerário, três telemóveis, três computadores portáteis e variada documentação com vista a corroborar indícios criminais" recolhidos ao longo da investigação, adiantou o SEF.

De acordo com o serviço, estas diligências permitiram dar mais um passo numa investigação iniciada em 2020 e na qual está em causa o crime de auxílio à imigração ilegal, envolvendo uma empresa de trabalho temporário.

O SEF indicou que o "principal suspeito" é proprietário de uma empresa de trabalho temporário e ambos foram constituídos como arguido por suspeitas do crime de auxílio à imigração ilegal.

Ao longo do período abrangido pela investigação, os arguidos "terão sido responsáveis, a troco de avultadas quantias, pela legalização de mais de 300 cidadãos estrangeiros" e a "grande maioria nem sequer se encontra em território nacional", referiu ainda a autoridade, acrescentando que, a partir de agora, a investigação vai debruçar-se sobre o "vasto património imobiliário adquirido pelo arguido no último ano".