Politica

PS expulsa socialista que denunciou falsos militantes

Cristina Martins, a militante de Coimbra que denunciou o caso dos falsos militantes – um processo que está a ser investigado pela Justiça -, foi expulsa do PS.

“Uma perseguição, quando os que deviam ter sido expulsos não foram”, afirma ao SOL Cristina Martins. Em 2011, a socialista, coordenadora da Secção do PS Sé Nova, em Coimbra, alertou António José Seguro e outros dirigentes socialistas para irregularidades que se estavam a passar na Federação daquela cidade. Foi detectado um número excessivo de inscrições de militantes, algumas incompletas, com moradas erradas ou com o mesmo e-mail.

A socialista diz ter alertado o Secretário-Geral do PS para o caso e, numa reunião em Outubro de 2011, entregou cópias das fichas de inscrição alegadamente falsas ao Secretário Nacional para a Organização, Miguel Laranjeiro, ao dirigente, Eurico Brilhante Dias, e ao presidente da Comissão de Jurisdição Nacional, Ramos Preto. Juntamente com as fichas anexou documentos, como mapas da cidade, explicando porque é que considerava aquelas inscrições irregulares.

Apresentou, ainda, queixa na Comissão de Jurisdição Federativa e também na Comissão de Jurisdição Nacional. “Nunca me responderam”, garante. Cristina Martins levou então o caso ao Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) que está neste momento a investigar. O processo está em segredo de Justiça e já foram ouvidas centenas de testemunhas. Esgotadas as tentativas de resolver o caso internamente, falou com a comunicação social. O SOL e o Jornal de Notícias deram destaque ao caso.

Ontem, a socialista recebeu ordem de expulsão do partido. “Expulsaram-me com um documento de 27 páginas mas só recebi as páginas ímpares. A minha expulsão tem como base o facto de ter dado a conhecer aos jornalistas os casos dos falsos militantes e por isso, dizem, tive atitudes de desmilitância”, afirma.

Amanhã, Cristina Martins dará uma conferência de imprensa para denunciar outras irregularidades na Federação de Coimbra, “que não estão em segredo de Justiça”. A conferência está marcada na sede do partido. “Espero que me deixem entrar”, remata. 

sonia.cerdeira@sol.pt