Politica

CDU e BE contra decisão da CNE sobre Conselho de Ministros

A CDU e o BE estão contra a decisão da Comissão Nacional de Eleições (CNE) de que a realização do Conselho de Ministros marcado para este sábado, dia 17, em período de campanha eleitoral, não viola os “deveres de neutralidade e imparcialidade”.


“Independentemente daquilo que a CNE possa dizer a respeito destas iniciativas elas são parte de uma agenda, é a agenda da troika'", afirmou o cabeça-de-lista da CDU ao Parlamento Europeu, João Ferreira, durante uma acção de campanha em Olhão. 

Já a candidata do BE, Marisa Matias, prometeu continuar a contestação. “Nós respeitamos a decisão da CNE mas não concordamos porque entendemos que a troika - que é aquilo que está em causa - não está nem dentro, nem fora das eleições europeias. É o centro da campanha", afirmou a bloquista, em Évora. 


A CNE decidiu hoje, por maioria, "que não existe violação dos deveres de neutralidade e imparcialidade das entidades públicas a que o Governo está vinculado, pelo que, não poderá haver lugar a qualquer intervenção." Os dois partidos tinham instaurado um processo junto da CNE. 


Já a propósito da Conferência que vai juntar o BCE, FMI e Comissão Europeia no dia das eleições, a 25 de Maio, em Sintra, e que os dois partidos também contestaram, a CNE considerou “não dever intervir”, por não estar em causa matéria eleitoral. 

sonia.cerdeira@sol.pt