Sociedade

Mais de 700 milhões de mulheres vítimas de violência física

Mais de 700 milhões de mulheres em todo o mundo são vítimas de violência física, designadamente sexual, às mãos dos seus maridos ou companheiros, quantificou um relatório do Banco Mundial, ontem divulgado.  


O problema é pior em África e na Ásia do Sul, onde mais de duas em cada cinco mulheres sofreram violência às mãos de um parceiro, especificou-se no documento. 

Num extenso relatório, intitulado Voz e Agência, o Banco considerou que esta violência e outras desvantagens e privações sistemáticas sofridas pelas mulheres são factores importantes na limitação da sua afirmação e manutenção de centenas de milhões na pobreza. 

No texto sustentou-se que dar poder às mulheres e remover os obstáculos sociais e legais ao seu avanço iriam beneficiar amplos grupos da sociedade. 

"Superar essas privações e esses constrangimentos é central nos esforços para acabar com a pobreza extrema e fomentar a prosperidade partilhada", argumentaram os autores. 

"Uma participação total e igual também requer que todas as pessoas tenham voz, isto é, capacidade de falar e ser ouvida, desde a habitação até ao parlamento, e de influenciar e participar nas discussões, nos discursos e nas decisões que as afectam", particularizou-se. 

Uma violência conjugal generalizada é apenas uma das formas de privação. O Banco particularizou uma série de outras, como a dificuldade em aceder à propriedade da terra, viajar sem autorização ou a "grosseira" sub-representação em posições formais de poder.

O impacto da gravidez das adolescentes, considerado outro tipo de limitação, é profundo, estimando-se que uma em cada cinco mulheres no mundo em desenvolvimento engravide antes dos 18 anos. 

Lusa/SOL