Sociedade

Cancro: Um quarto dos rastreados em 2013 com risco de melanoma

Das mais de 1.200 pessoas rastreadas ao cancro da pele em 2013, metade assumiu já ter apanhado queimaduras solares, um terço admitiu não pôr sempre protector solar na praia e quase um quarto possuía sinais com risco de melanoma.

Cancro: Um quarto dos rastreados em 2013 com risco de melanoma

Os resultados do rastreio do dia do Euromelanoma de 2013, feito pela Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC) e agora divulgados, abrangeram 1.245 pessoas com uma idade média de 46 anos, das quais 66% nunca tinham feito um rastreio de cancro de pele, com observação por um médico.

A APCC sublinha que 31% das pessoas rastreadas tinham actividades profissionais ao ar livre e que mais de metade (54%) admitiu ter antecedentes de queimadura solar antes dos 18 anos.

Metade dos rastreados nunca colocava qualquer protector quando exposta ao sol fora da praia e "apenas 66% referiram colocar sempre protector solar quando expostos intencionalmente ao sol, na praia", refere a APCC.

Na população estudada foi feito o diagnóstico clínico de "nevos atípicos" em 279 pessoas.

Os nevos atípicos são sinais irregulares na cor, no bordo ou de diâmetro maior que 5 mm, com mais risco de evoluírem ou se associarem a melanoma.

Em 73 pessoas foram identificadas "queratoses actínicas", que são manchas potencialmente precursoras de um tipo de cancro que é o carcinoma espinocelular.

A APCC identificou ainda 20 pacientes com suspeita clínica de melanoma e 36 com suspeita clínica de carcinomas (basocelular ou espinocelular). 

Para a associação, estes números "mostram a necessidade de reforçar os cuidados a ter com o sol, sobretudo naqueles com exposição ocupacional ao sol e também naqueles praticantes de desporto ao ar livre".

Por isso, organiza um congresso de fotoeducação, denominado "Sol e pele: saber conviver. Cancro da pele em 2014", que decorre nos dias 16 e 17 em Lisboa.

O congresso decorrerá na Universidade Católica e na Clínica Universitária do Hospital de Santa Maria e terá duas vertentes: uma formativa e outra clínica.

A primeira é dirigida a profissionais de educação e de saúde, com o objectivo de aperfeiçoar o seu conhecimento e poderem ser agentes de sensibilização para os cuidados a ter e saberem fazer o despiste precoce dos cancros de pele.

A vertente clínica é dirigida a médicos de diversas especialidades -- como oncologia, pediatria e medicina geral e familiar - e consiste num curso teórico e prático sobre oncologia cutânea.

Inquéritos realizados em 2013 pela APCC revelaram que os profissionais de saúde e de educação estão pouco informados sobre o cancro da pele e sentem necessidade de ter mais conhecimentos sobre a doença.

Lusa/SOL

Os comentários estão desactivados.