Vida

O perfume já não é um luxo

A crise é culpada de muitas coisas, desde as elevadas taxas de desemprego ao fim do comércio tradicional, deixando lojas vazias um pouco por todo o lado. Mas não foi preciso esperar muito para começar a ver surgir aqui e ali um fenómeno que nasce não só da crise mas das novas tendências low cost que já conquistaram clientes na aviação, restauração e até nos ginásios. Algumas dessas lojas deixadas para trás por negócios que cederam à pressão da economia começaram a ser vistas pelo negócio low cost nos perfumes como espaços privilegiados.

O perfume já não é um luxo

A Equivalenza, empresa espanhola que impulsionou o negócio no mundo, já tem lojas em 24 países, entre os quais Portugal. Mas não está sozinha neste mercado. Deste lado da península são os portugueses Ydentik que lhes começam a fazer concorrência com um conceito de ‘bar de perfumes’. Lúcia Ferreira, gestora da Loja Ydentik, na Rua Augusta, em Lisboa, explica: “As nossas lojas são um conceito totalmente português: só as fragrâncias são francesas, de resto desde as embalagens, aos frascos é tudo feito em Portugal”. A especialista garante que estes perfumes só são mais baratos porque o cliente não tem de pagar tudo o que é investido em marketing, no design dos frascos ou na publicidade – só paga os frascos de vidro simples, com difusor de metal, e o seu conteúdo.

“Para chegar a estas fragrâncias temos perfumistas que trabalham connosco e desenvolvem as fragrâncias baseadas nos perfumes originais”, explica Lúcia. Segundo a responsável, “as fragrâncias originais não têm que ser patenteadas, têm é que estar registadas no portal europeu dos cosméticos. Através dos perfumistas internacionais, chegamos às mesmas notas olfactivas dos perfumes originais”. Os olfactos mais exigentes, no entanto, conseguem distinguir o original do low cost. Lúcia Ferreira explica porquê: “Não fazemos igual, vamos buscar notas olfactivas parecidas e por isso é que não estamos a entrar em ilegalidade”.

Ainda assim, os aromas resultantes são tão parecidos com os originais que a marca Caravan – à venda nos supermercados Jumbo – afirma: “Se gosta do perfume Coco Mademoisele (Chanel), experimente o Caravan n.º 38”. A explicação é semelhante à avançada pela responsável da Ydentik: “As essências assemelham-se às das fragrâncias de referência de alta perfumaria, pelo que cada perfume tem uma numeração, que corresponde a uma fragrância específica”. Há dezenas de essências à disposição de quem queira optar por perfumar-se a baixo custo. Mas os mais cépticos defendem que a duração destes perfumes é mais curta do que a dos originais.

patricia.cintra@sol.pt

Os comentários estão desactivados.