Cultura

Vargas Llosa recebe doutoramento Honoris Causa pela Universidade Nova

O escritor peruano Mário Vargas Llosa, de 78 anos, autor do romance "Conversa n'A Catedral", vai receber o grau de doutor "Honoris Causa", pela Universidade Nova de Lisboa, no próximo dia 22, foi hoje divulgado.

Vargas Llosa recebe doutoramento Honoris Causa pela Universidade Nova

"A atribuição do título justifica-se pela relevância da obra no contexto da literatura ibero-americana, reconhecida, em 1994, pelo Prémio Cervantes, e, num plano mundial, pelo Nobel da Literatura, recebido em 2010", e pelo facto de a estas distinções se juntarem ainda os prémios PEN/Nabokov, Príncipe das Astúrias e Grinzane Cavour, afirma em comunicado a Casa da América Latina (CAL).

A proposta de doutoramento "Honoris Causa" foi apresentada pelo escritor Nuno Júdice, docente do Departamento de Línguas, Culturas e Literaturas da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas daquela universidade, segundo o qual, os romances de Llosa "são imprescindíveis para conhecermos a História do continente sul-americano", lê-se no mesmo comunicado.

"Tendo como cenário, nos primeiros romances, o Peru e o espaço social em que decorre a primeira fase da sua vida, tratando questões ligadas à iniciação e maturação do homem, Vargas Llosa criou personagens que ficam inscritas na História literária dos séculos XX e XXI", afirma, no mesmo comunicado, Nuno Júdice.

Nuno Júdice realça que Vargas Llosa "vai além da sua pátria, a que sempre se dedicou, nomeadamente quando, num momento difícil, foi candidato à Presidência do Peru", acrescentando que "os romances do escritor são imprescindíveis para conhecermos a História do continente sul-americano, os seus conflitos e a sua sociedade".

Como exemplo, Júdice destaca "As guerras do fim do mundo" e "O sonho celta", entre outras "obras que o afirmaram na transformação da linguagem romanesca do século XX, ao lado de García Márquez".

No romance "As guerras do fim do mundo" (1981) "descreve a guerra dos Canudos no Brasil" e, no seu penúltimo romance, "O sonho do Celta" (2010), "traça um retrato impiedoso da colonização europeia da África negra".

A cerimónia de doutoramento "Honoris Causa", que conta com o apoio da CAL, realiza-se no dia 22, às 18h00, no Auditório da Reitoria da Universidade Nova, no campus de Campolide, em Lisboa.

O doutoramento "Honoris Causa" da universidade portuguesa vai juntar-se a outros que o autor de "A Tia Júlia e o Escrevedor" tem recebido ao longo da sua carreira de várias universidades, entre elas a de Yale, em 1994, a Universidade de Israel, em 1998, de Harvard, no ano seguinte, a de Lima, em 2001, a de Oxford, em 2003, a Universidade Europeia de Madrid, em 2005, e a da Sorbonne, em Paris, em 2005.

Segundo a CAL, Mário Vargas Llosa "é conhecido pela sua crítica à hierarquia de castas sociais e raciais vigente ainda hoje no Peru e na América Latina".

"Docente universitário e político, Vargas Llosa é uma personalidade intelectual de grande vulto e um dos mais importantes escritores da América Latina e do mundo", remata a mesma instituição.

Autor de mais de uma dezena de romances, o mais recente editado no ano passado, "O Herói Discreto", Vargas Llosa é também autor de peças de teatro, nomeadamente "A menina de Tacna", e de obras de ensaio, como "A Civilização do espectáculo", editada em 2012.

Entre outras condecorações estrangeiras, o governo francês distinguiu o escritor com a Medalha de Honra, em 1985, e, em Fevereiro de 2011, o rei Juan de Carlos de Espanha nobilitou-o com o título hereditário de Marquês de Vargas Llosa.

Vargas Llosa obteve a nacionalidade espanhola Março de 1993, sem nunca renunciar à peruana, como destaca o Instituto Cervantes.

Lusa/SOL

Os comentários estão desactivados.