Sociedade

Easyjet abre base no Porto e cria 80 postos de trabalho

A companhia aérea Easyjet anunciou hoje a abertura, a partir da primavera de 2015, de uma nova base operacional no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, criando 80 postos de trabalho directos, entre pilotos e tripulação de cabine. 

O investimento, que representa 75 milhões de euros, vai alocar dois aviões A320 no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, reforçando a oferta do produto para passageiros de lazer e negócios nas ligações à Europa.

A base da companhia ‘low cost’ [de baixo custo] no Porto é a segunda em Portugal depois de, em Abril de 2012, ter inaugurado a do Aeroporto da Portela, em Lisboa.

Durante a cerimónia de apresentação da nova base operacional, na Casa da Música, no Porto, o ministro da Economia, António Pires de Lima, anunciou que o Turismo de Portugal vai investir 900 mil euros neste projecto, num prazo de três anos, em campanhas de divulgação do país como destino turístico. 

O governante lembrou que a nova base operacional cria 80 postos de trabalho directos e "mais de cem" indirectos.

"O efeito multiplicador dos serviços aéreos é muito grande na economia nacional e já substancial na economia do Porto", referiu.

A opção da companhia aérea britânica por Portugal demonstra, segundo o governante, que a gestora aeroportuária, privatizada há cerca de um ano, está a fazer "um bom trabalho" enquanto empresa privada que assumiu responsabilidades públicas.

"Em boa hora o Governo teve a coragem de encetar esta privatização", considerou.

António Pires de Lima lembrou que este investimento em Portugal é um "grande orgulho e felicidade" numa das áreas "mais dinâmicas" da economia portuguesa, o turismo. 

O director geral da Easyjet em Portugal, Javier Gandara, admitiu que escolheu o Porto para 25ª base operacional da companhia porque a cidade é um destino "muito atractivo".

"Queremos reforçar a aposta com a região norte de Portugal que se prevê de longo prazo", disse.

Quanto às rotas, o responsável frisou que estão a ser estudadas, devendo ser anunciadas no próximo mês de Setembro.

O objectivo da companhia aérea é fidelizar os passageiros e ligar Portugal ao resto da Europa e vice-versa. 

Javier Gandara revelou que o processo de recrutamento dos 80 postos de trabalho começará já no início da próxima semana. 

Num período de sete anos, a Easyjet estima criar cerca de 1.000 empregos indirectos. 

Lusa/SOL