Sociedade

Escolas perdem mais de 13 mil alunos jovens num ano

Em apenas um ano, as escolas portuguesas perderam 13379 alunos. Os dados foram hoje revelados pelo relatório “Estatísticas da Educação 2012/2013 - Jovens” e dão conta de uma redução de crianças principalmente no primeiro ciclo, com as primárias a perderem 12794 alunos de 2012 para 2013. Ainda no ensino básico, mas no segundo ciclo, registaram-se menos 4369 alunos, tendo o terceiro ciclo perdido 3733 estudantes. De fora destas estatísticas, ficam todos os alunos adultos que frequentam os estabelecimentos de ensino, desde o Básico ao Superior.


O Ministério da Educação e Ciência refere que esta “realidade revela uma tendência demográfica já conhecida de todos, e que justifica uma actuação atenta e ágil dos Governos em termos de gestão do parque escolar nacional, algo que tem vindo a ser feito ao longo dos últimos anos.”

No nível do ensino secundário, dá-se o fenómeno inverso, com a subida do número de alunos, que pode ser explicada pelo aumento da escolaridade obrigatória para o 12º ano. Neste universo, regista-se uma maior procura da via profissional, com o aumento dos alunos nos cursos profissionais de 113749 para 115885. Os cursos de aprendizagem também demonstram uma subida de 21056 para 33366 alunos. Por seu lado, o ensino regular perde procura e assinala uma redução de alunos, de 209276 para 207094.

MEC realça nova oferta no superior, mas cursos profissionais ainda não existem

A propósito destes números, o Governo sublinha a nova oferta disponibilizada este ano no ensino superior: os Cursos de Técnicos Superiores Profissionais, com duração de dois anos, oferecidos em exclusivo pelo sistema Politécnico. O Ministério afirma que estes “cursos visam responder a esta crescente procura dos jovens por formações mais técnicas e mais rápidas, não deixando contudo de proporcionar um nível de formação superior e a possibilidade de prosseguir estudos numa licenciatura posteriormente.”

Contudo, segundo apurou o SOL, até ao momento ainda não há nenhuma instituição de ensino superior a oferecer estes cursos. O prazo para a sua apresentação termina no final do mês, mas os politécnicos dizem ainda não estarem reunidas as condições para avançar com esta oferta formativa de forma generalizada.

O Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos explicou ao SOL que os cursos de especialização tecnológica (que abrangem actualmente cerca de cinco milhares de estudantes nos politécnicos) só passarão para as escolas secundárias em 2015/2016, pelo que a co-existência destes duas ofertas educativas nas mesmas instituições de ensino pode gerar alguma confusão entre potenciais interessados e empregadores. Por isso, a criação da maior parte dos cursos superiores profissionais só deverá arrancar no ano lectivo seguinte.

Perdas de alunos adultos e crianças chegam quase aos 100 mil

Se as contas à perda de alunos incluírem os outros graus de ensino e os adultos, por exemplo, os que estavam a estudar ao abrigo do programa das Novas Oportunidades, os números são bastante mais expressivos.

Assim, em apenas um ano, as escolas portuguesas perderam 98.950 alunos, desde o pré-escolar até ao ensino superior. A redução de crianças faz-se principalmente no primeiro ciclo, com as primárias a perderem 13625 alunos de 2012 para 2013. Ainda no ensino básico, mas no segundo ciclo, registaram-se menos 13418 alunos, tendo o terceiro ciclo perdido 37235 estudantes. No total do básico, perderam-se 64288 alunos.

rita.carvalho@sol.pt

Os comentários estão desactivados.