Politica

Manifesto e Livre vão juntos às legislativas

O Fórum Manifesto – que se desvinculou recentemente do BE – e o Livre já terão concordado entrar juntos na corrida às eleições legislativas de 2015, sabe o SOL. 

Ana Drago, ex-bloquista, assumui esta semana que a associação política deve criar uma “plataforma eleitoral” para que, com outros partidos e movimentos à esquerda, possa sujeitar-se à apreciação dos portugueses em urna. “Não basta fazer o diagnóstico acertado e ficar sentado. Precisamos de estar empenhados na tentativa de fazer uma plataforma que possa assumir compromissos com impacto na vida das pessoas”, disse, numa sessão de debate público esta quarta-feira, em Lisboa, onde estiveram representantes do Livre, do 3D e do Congresso Democrático das Alternativas.

A proximidade de Drago a Rui Tavares, fundador do Livre e ex-eurodeputado eleito pelo BE, é conhecida. No início do ano, a ex-dirigente bateu com a porta na comissão política do partido porque defendia uma aliança – não apoiada – entre BE e Livre para as europeias de Maio, nas quais os bloquistas acabaram por sofrer uma derrota e perder dois dos três deputados que elegeram em 2009. 

O calendário e as bases programáticas não estão fechados. Mas Daniel Oliveira, membro do Fórum Manifesto, fundado por Miguel Portas, admitiu “pressa” na construção da plataforma eleitorial. Em Setembro poderão chegar novidades sobre a união entre os dissidentes do BE para as eleições do próximo ano.

Na sessão de esclarecimento, o Fórum Manifesto fez saber que está empenhado em “criar no campo da esquerda uma resposta que assuma a disponibilidade em torno da salvação do Estado Social” – clarificou Ana Drago. Algo que foi entendido pelas dezenas de participantes que encheram o auditório da Casa da Imprensa como o princípio orientador para o diálogo à esquerda. 

Rui Tavares, fundador do Livre, num artigo publicado esta semana no SOL (página 21), congratula-se com a dinâmica que está a surgir à esquerda com ou sem PS... pelo menos à partida para as eleições. “A recomposição da esquerda de que precisamos já está em marcha e é hoje visível: no nascimento do Livre ou na recente desvinculação da Fórum Manifesto”, afirma o historiador. 

ricardo.rego@sol.pt e manuel.a.magalhaes@sol.pt