Internacional

Bomba atómica caiu sobre Hiroshima há 69 anos

Faz hoje 69 anos que Hiroshima foi palco de um dos maiores ataques da história da Humanidade. 


A 6 de Agosto de 1945, o bombardeiro norte-americano Enola Gay, comandado pelo coronel Paul Tibbets Jr., largou a bomba no centro daquela cidade japonesa. Esta explodiu a cerca de 600 metro do solo e formou o que viria ser conhecido como ‘a nuvem em forma de cogumelo’. 

O ataque nuclear ocorreu no final da Segunda Guerra Mundial, aquando da presidência de Harry S. Truman. A bomba atómica ‘Little Boy’ terá matado cerca de 140 mil pessoas, sendo que os números aumentam quando são contabilizadas as pessoas que morreram posteriormente devido à exposição à radiação. 

A ‘destruição’ de Hiroshima, bem como da cidade de Nagasaki, ocorrida 3 dias depois, foi um dos factores que levaram à queda do Império do Japão, a 15 de Agosto daquele mesmo ano, o dado que levaria ao final da Segunda Guerra apenas algumas semanas depois.

Este acontecimento histórico tem gerado muita controvérsia: Para uns foi um passo essencial para o fim da Guerra, salvando muitas vidas que poderiam ser posteriormente perdidas, para outros tratou-se de uma das maiores chacinas da História. 

Falando perante milhares de pessoas – sobreviventes, descendentes das vítimas e a embaixadora dos EUA no Japão, Caroline Kennedy – durante uma cerimónia em memória daqueles que morreram no ataque de 6 de Agosto, o ‘mayor’ de Hiroshima reforçou o convite feito a Obama e outros líderes mundiais em Abril para que visitassem aquela cidade japonesa e participassem numa iniciativa a favor do desarmamento nuclear e da sua não-proliferação.

“Presidente Obama e todos os líderes de nações que possuem armamento nuclear, por favor respondam ao nosso convite e visitem as cidades atingidas pelas bombas atómicas assim que puderem, de forma a verem o que aconteceu com os vossos próprios olhos”, afirmou hoje Kazumi Matsui. “Se o fizerem, vão perceber que as armas nucleares representam o mal e devem deixar de existir”, acrescentou.

joana.alves@sol.pt

Os comentários estão desactivados.