Economia

O que levou o CEO e chairman da PT a abandonar?

A 13 de Junho de 2013 Henrique Granadeiro volta a acumular os cargos de CEO e chairman da PT SGPS, na sequência da saída de Zeinal Bava para o Brasil, para presidente executivo da Oi. Nessa altura, Zeinal Bava manteve apenas o cargo de CEO da PT Portugal, o qual abandonou esta semana.


A fusão com a operadora brasileira viria a dar muito que falar no ano seguinte. Além de ter sido muito contestada pelos pequenos investidores brasileiros, em Junho deste ano foi lançada uma ‘bomba’ que quase pôs a fusão em causa. Foi revelado que a PT tinha investido 900 milhões de euros em dívida de curto prazo na Rioforte, empresa do GES que poucas semanas depois pediu insolvência.

Esta aplicação foi assinada por Henrique Granadeiro e Luís Pacheco de Melo, administrador financeiro da PT. Depois de ter sido conhecido o ‘buraco’ de 900 milhões, foram vários os dedos apontados a Granadeiro e a exigir a sua demissão.

Uma das consequências deste negócio foi a redução da participação da PT – de cerca de 38% para 25,6% - no capital da nova operadora resultante da fusão. No entanto, a PT ficou com a possibilidade de aumentar essa participação nos próximos seis anos.

Depois de quase dois meses sob fogo, no dia 7 de Agosto, Granadeiro optou por apresentar a sua demissão, alegando, contudo, que não é culpado.

Na carta de renúncia, o gestor garantiu ter  ficado "surpreendido" com a situação de incumprimento do BES  para com a PT. SConvivo bem com os meus actos, mas não com os encargos e responsabilidades de outros". E a auditoria que está a ser realizada na PT às aplicações "evidenciará os processos e as causas do incidente e demonstrará que sempre agi no melhor interesse da PT", conclui.

sara.ribeiro@sol.pt

Os comentários estão desactivados.