Opiniao

O banco bom

Era uma vez um banco bom que pertencia a uma família boa, apesar de agora referirem que o primeiro Espírito Santo era órfão.

O problema desta orfandade é abrir caminho a possibilidades fantásticas: o rapaz podia ser filho de um deus. São aspectos a considerar numa futura biografia desta família boa, proprietária de um banco bom e, como tal, dona do país por motivos da sua bondade. Foram anos a fio a ser bom até à notícia de um ‘esquecimento’ um bocado mau de Ricardo Salgado de declarar oito milhões de euros ao fisco. A partir daí, ficámos a saber que o banco bom servia para bondosamente emprestar dinheiro às empresas da família boa que o dirigia. Houve entretanto tentativas para imprimirmos ‘o BES não é o GES’ em t-shirts, mas nada salvaria o banco bom da derrocada, precipitada nos últimos dias dizem que por uma administração boa que fora afastada mas que afinal tinha ficado lá. Foi então que o banco bom passou a banco mau. Bondade a mais faz mal.

Os homens que lêem

Li um artigo na revista feminina online Elite Daily em que se recomenda fervorosamente as mulheres a saírem com homens que lêem. A autora chama-se Lauren Martin e deve viver na Disneylândia. Não vou ser eu a frustrar uma tão nobre cruzada, mas com todo o gosto atacarei a estupidez das suas conclusões. Martin diz que «os homens que lêem não são espertos; são sábios». Não há garantias de essa qualidade existir nos mais leitores e é até frequente que não sejam nem uma coisa nem a outra. «Eles não só te percebem como te compreendem, porque ao lerem aprendem a perceber as inúmeras experiências de vida das personagens e desenvolvem a empatia». Pelo sim pelo não, nunca contem tudo. «Encontrar um homem que lê é como sair com mil almas e viver mil vidas», diz certamente para assustar as mulheres. Sair com ‘mil almas e mil vidas’ seria um caos e uma canseira. Felizmente que o homem que lê (e o que não lê) é só uma pessoa e, com alguma sorte, só uma vida.

Civilização e gargalhada

No The Chronicle of Higher Education foi publicado um texto adaptado do  último livro da historiadora Mary Beard. O livro chama-se Laughter in Ancient Rome: On Joking, Tickling, and Cracking Up. Ainda não o li e este artigo só torna mais insuportável a minha espera. Mary Beard fala dos fundamentos culturais do riso. Não esqueçamos que aprendemos a rir do que devemos e – muito importante – do que não devemos, como por exemplo, da senhora gorda que vemos no autocarro. O estudo do riso abrange várias disciplinas, da antropologia às neurociências, mas o seu aspecto cultural é o mais interessante, não só para os historiadores como para nós, simples mortais, que nos rimos sem saber porquê. Beard afirma que nenhuma cultura pode dizer que ri mais do que outra, embora lembre que os revolucionários franceses acreditavam que era a sua. A Revolução decretara que a contenção era monárquica e exigira às pessoas que exibissem as suas emoções com desinibição.

À espera

No domingo, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, fez uma declaração ao país sobre o futuro do BES. A hora tardia terá um sentido, mas ajuda pouco a tranquilizar as pessoas, sobretudo quando mais de 90% da população não percebeu aquilo que ouviu. A explicação de Carlos Costa foi técnica, obscura e inacessível à maioria e como sabemos a falta de clareza não sossega ninguém. Tenho perguntas sobre o caso: quais são os riscos para o contribuinte ter de pagar uma parte destas operações? O Fundo de Resolução teve um empréstimo do Tesouro, cerca de 4.500.000.000 de euros, que será reembolsado após a venda deste novo banco. E se a venda for demorada ou ruinosa? É responsável dizer que os interesses dos contribuintes estão salvaguardados? E o que é o banco-mau? Quais são as suas aventuras? Como vão ser responsabilizados os que causaram as perdas? À hora em que escrevo não temos respostas. Espero que venhamos a tê-las num português claro.

Temporário

Um casal residente em Hertfordshire, em Inglaterra, foi acusado de «maltratar emocionalmente» o filho por ainda não lhe ter dado um nome. As autoridades retiraram a criança de cinco meses aos pais, que acabam de ganhar o direito a apelar da decisão. A razão para ainda não terem dado um nome à criança é religiosa. O casal é hindu e estava à espera de realizar o ritual adequado para dar o nome ao filho. Mas a explicação pacífica não comoveu a Justiça inglesa. A decisão judicial parece estapafúrdia, uma vez que parece desprezar as tradições pacíficas das pessoas, ao mesmo tempo que acolhe outras que são uma forma de violência sobre outros, como é o caso da burca. Estou mais familiarizada com esta demora em dar um nome à criança porque os gregos têm tradições parecidas e datas específicas para dar nomes aos filhos. Até lá, as crianças são tratadas por ‘bebé’, certamente na linha de Platão, que não via grandes diferenças entre crianças e animais.