Economia

Fundos de imobiliário a descer

O valor líquido global dos fundos de investimento imobiliário ascendeu em Junho a 12,08 mil milhões de euros, o que traduz uma diminuição de 0,3% em relação ao mês anterior. Desde o início do ano, verifica-se uma diminuição de 1,7%. No entanto, quanto aos montantes sob gestão, houve um aumento de 5,2% em Junho.

De acordo com os dados divulgados pela Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios - APFIPP, no mesmo mês o valor do património imobiliário detido por estes fundos (inclui imóveis, participações em sociedades imobiliárias e unidades de participação de FII) totalizou quase 14,03 mil milhões de euros, representando 116,1% do total das carteiras, o que engloba o recurso ao financiamento por parte destes fundos. O valor do património imobiliário registou um decréscimo mensal de 0,5%. Desde o início do ano diminuiu 2,1%, enquanto desde Junho de 2013, decresceu 3,0%.

Neste mês não foi ainda lançado qualquer novo Fundo de Investimento Imobiliário, tendo-se verificado a liquidação do Fundo Fechado Imogeris. Deste modo, o número de fundos em actividade reduziu-se para 250, face aos que existiam no final de Maio de 2014.

Interfundos com maior volume de activos

A sociedade gestora com maior volume de activos sob gestão é a Interfundos, com perto de 1,54 mil milhões de euros, o que se traduz numa quota de 12,7%. Logo em seguida vêm a Fundger, com 1,41 mil milhões de euros e uma quota de 11,7%, e a Montepio Valor, com 1,1 mil milhões de euros e uma quota de 9,1%.

A entidade que mais cresceu em Junho, em termos percentuais, foi a Norfin, que subiu 3,4% e 29,3 milhões de euros em valores absolutos.

Desde o início do ano, a Fibeira Fundos foi a sociedade que registou o maior crescimento, em termos percentuais, 40,8% e 3,2 milhões de euros, pertencendo à Norfin o maior crescimento em valores absolutos, 56,2 milhões de euros.

A categoria de fundos com maior volume de activos sob gestão é a dos Fundos Fechados, com 6,31 mil milhões de euros, seguida pela dos Fundos Abertos de Acumulação, com 2,14 mil milhões de euros, e dos Fundos Abertos de Rendimento, com 1,87 milhões de euros.

Fundos para arrendamento com maior aumento

A categoria que mais cresceu em Junho, em termos percentuais, foi a dos Fundos de Investimento Imobiliário para o Arrendamento Habitacional, 1,7%, pertencendo-lhe igualmente o maior crescimento em valores absolutos: 27,2 milhões de euros.

A Categoria dos Fundos de Investimento Imobiliário para o Arrendamento Habitacional é também a que regista o maior aumento desde o início do ano, quer em termos percentuais (2,4%), quer em valores absolutos (38,6 milhões de euros de subida).

Nos últimos 12 meses até Junho deste ano, 24 fundos (9,6% do total) geriam 4,55 mil milhões de euros (37,7% do valor total). Destes, 12 são Fundos Abertos (80%) e geriam na altura 3,56 mil milhões de euros (88,9% do volume gerido). Os restantes 12 são Fundos Fechados e eram responsáveis pela gestão de 984,4 milhões de euros (5,6% do número de Fundos Fechados e 15,6% do montante sob gestão).

piedadepedro@gmail.com