Sociedade

Saúde: Greve no Algarve só teve impacto no sector público

O Ministro da Saúde, Paulo Macedo, disse hoje que a greve no Algarve apenas afectou as unidades públicas e quem não tem alternativa, referindo que "o sector privado e o sector social estiveram a funcionar sem qualquer impacto".

O que aconteceu no Algarve foram "as unidades públicas a serem objecto de uma greve, sendo que, são aqueles que não têm outras alternativas, que são prejudicados por estas greves, porque o sector privado e o sector social estiveram a funcionar sem qualquer impacto", alertou o ministro.

"O direito à greve é inquestionável, o direito à manifestação é inquestionável, portanto tudo isso é perfeitamente normal", reforçou Paulo Macedo.

A adesão dos enfermeiros à greve de hoje nos serviços de saúde algarvios atingiu os 90 por cento no turno da manhã nos hospitais e superou os 70 por cento nos centros de saúde, segundo o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses.

Em comunicado o sindicato refere que houve também alguns casos de adesão a 100 por cento, como é o caso do Centro de Saúde de Alcoutim e do Serviços de Urgência Básica de Loulé e Lagos, enquanto no Centro de Saúde de São Brás de Alportel a adesão dos enfermeiros atingiu os 91%.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) frisa que "o compromisso dos profissionais com a defesa do SNS e a exigência de melhores condições de trabalho determinará a manutenção das exigências que estão na base desta greve".

A greve, que começou às 00:00 e tem a duração de 24 horas, é a primeira paralisação conjunta no Algarve que congregará enfermeiros, médicos e profissionais da função pública, nomeadamente pessoal administrativo e auxiliares de acção médica, segundo os representantes do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), do Sindicato dos Médicos da Zona Sul e do Sindicato da Função Pública do Sul.

Entre os motivos da greve, os enfermeiros destacam a falta de contratação de novos profissionais ou a realização de mais um turno consecutivo pelo mesmo profissional como situações que têm vindo a degradar as condições de trabalho.

Lusa/SOL