Economia

Consumo diz adeus à austeridade

Os hábitos de consumo dos portugueses parecem estar a despedir-se da austeridade. Ainda que ténue, esta é uma tendência identificada nos supermercados Continente.

“Provavelmente, estamos a testemunhar que as medidas de austeridade estão a começar a ficar para trás. Vemos os primeiros sinais de que o trading down [opção por produtos mais básicos e marcas mais baratas] começa a diminuir”, relatou ontem Luís Reis, administrador do grupo dono do Continente, numa conferência com analistas sobre as contas semestrais.

 “Nalgumas categorias de produtos começa até a notar-se algum trading up [comprar produtos mais caros], o que é bom, mas também pode ter que ver com o intenso ambiente promocional que tem havido”, acrescentou. Contudo, não deixou de frisar que os “sinais de consolidação da economia portuguesa são ténues” e que é preciso “ser prudente”.

Neste contexto, o responsável da Sonae, cujos lucros até Junho mais do que triplicaram, para 52 milhões, assumiu que a principal preocupação está na crescente deflação. Ainda assim, a maior retalhista do mercado nacional vai manter a sua estratégia focada nos preços e nas promoções.

No primeiro semestre, as vendas consolidadas da área alimentar e não alimentar (que inclui a Worten, Sport Zone, Zippy ou Mo) subiram 4,7%, para 2,30 mil milhões de euros. No total, mais de 90% das compras são feitas com base no cartão de fidelização da Sonae, que tem mais de quatro milhões de aderentes.

Esse cartão será central na expansão do grupo, sobretudo no que se refere ao comércio alimentar de proximidade. O grupo reviu em alta, de 100 para 120, o número de aberturas das mercearias Meu Super até ao final do ano. “Dá uma boa perspectiva da nossa quota de mercado nas áreas urbanas, por bairro, às vezes até por rua e por prédio. Estamos a usar essa informação para encontrar locais onde a nossa quota é pequena e onde podemos abrir lojas para captar novos mercados”, explicou Luís Reis.

Outra pretensão é acelerar o desenvolvimento de novos conceitos na Worten e na Sport Zone em Espanha (relocalização e redução da área das lojas). A reconversão deverá estar completa até ao final de Junho de 2015, permitindo  alavancar a área que deu o maior contributo para o crescimento deste semestre.

ana.serafim@sol.pt