Internacional

China e Rússia iniciaram construção de mega-gasoduto na Sibéria

A construção do gasoduto siberiano, que irá fornecer anualmente 38.000 milhões de metros cúbicos de gás natural à China, considerado um símbolo da "nova era das relações sino-russas", arrancou na segunda-feira, anunciou hoje a imprensa oficial.

O início oficial da empreitada, numa cerimónia em Yakutsk, na Sibéria Oriental, contou com a presença do Presidente russo, Vladimir Putin, e do vice-primeiro-ministro executivo chinês, Zhang Gaoli, foi transmitido em directo pela televisão russa.

O projecto insere-se na "parceria global de cooperação na área da energia" estabelecida em Maio passado na cimeira entre os presidentes dos dois países e que segundo realçaram na altura alguns comentadores, ajudará Moscovo a reduzir a sua dependência da Europa, o principal mercado do gás russo.

Trata-se de um contrato de 400.000 milhões de dólares (304.500 milhões de euros) e vigorará durante trinta anos.

A parte russa do gasoduto, orçada em 55.000 milhões de dólares (41,8 milhões de euros), foi baptizada com o nome de "Poder da Sibéria".

O novo gasoduto é o segundo construído nos últimos anos pelos dois países, com "um grande significado para a revitalização industrial no nordeste da China e para o desenvolvimento do Extremo Oriente russo", disse Zhang Gaoli.

Segunda economia mundial, a seguir aos Estados Unidos da América, a China é também o maior consumidor de energia do planeta.

 Em 2013, só da Rússia, a China importou 24,35 milhões de toneladas de petróleo, 27,28 milhões de toneladas de carvão e 3.500 milhões kwh de electricidade, referiu a agência noticiosa oficial chinesa.

Lusa/SOL