Opiniao

Quente e Frio

Quente

Mario Draghi: O presidente do BCE  fez um discurso enérgico, onde frisou que a Europa deve ter mais flexibilidade orçamental para evitar a estagnação económica. O ministro alemão Wolfgang Schäuble tentou minimizar as declarações, mas a Alemanha está cada vez mais isolada. Também tu, Draghi?

M.ª Luís Albuquerque: Com várias rubricas das contas públicas em derrapagem, a ministra teve uma jogada de risco: o rectificativo não tem aumento de impostos. Se o défice derrapar será chamada à responsabilidade. Mas se atingir a meta de 4% fica como o rosto do sucesso no primeiro exercício orçamental depois de Gaspar.

Luís Máximo dos Santos: Pouca gente fala do presidente do BES, o banco 'mau', mas Máximo dos Santos tem uma tarefa ciclópica. Vender activos problemáticos no meio de uma chuva de processos não será tarefa fácil. Deu agora o primeiro passo, com o início da venda da unidade de Miami.


Frio

Christine Lagarde: Ser francês e ter processos na justiça está a tornar-se requisito para o cargo de director-geral do FMI. Depois do escândalo Strauss-Kahn, Lagarde está sob investigação num caso de fraude que envolve o Governo de Sarkozy.

joao.madeira@sol.pt