Politica

Paulo Portas destaca "pulo gigante" de Portugal no ranking da competitividade

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, realçou hoje em Viana do Castelo o "pulo de gigante" de Portugal no 'ranking' internacional da competitividade divulgado quarta-feira pelo Fórum Económico Mundial.

"É muito importante para a percepção internacional de um país que Portugal tenha conseguido dar um salto de 15 posições no espaço de um ano", afirmou Portas de visita à fábrica de Viana do Castelo da multinacional espanhola Europac.

Este indicador foi um dos dois que Paulo Portas classificou como "boas notícias" que os portugueses "merecem receber".

"Portugal no espaço de um ano deu um pulo de 15 posições porque reconhecem mais a qualidade dos recursos dos portugueses, das infra-estruturas, da resposta reformadora à situação económica que permite nomeadamente estar a ter mais criação de emprego. (...) Isso tem um valor enorme porque os empresários quando olham para os países para escolherem onde vão investir, olham para estes relatórios", sublinhou.

O segundo indicador prende-se com a emissão de dívida a 15 anos efectuada quarta-feira "a bom preço e com procura forte", nas palavras que Portas proferiu à chegada à quarta maior empresa da União Europeia na produção de embalagens de cartão.

A redução da taxa de desemprego de 17,7% (previsão inicial do Orçamento do Estado para 2014) para 13,9% (dados do INE referentes ao segundo trimestre), o aumento das exportações, o turismo "a bater recordes históricos" e a "confiança" dos agentes económicos são, para o governante, "sinais de esperança".

"Não está tudo resolvido, mas vamos para melhor", afirmou, atribuindo o "mérito às empresas, aos seus trabalhadores e à vontade colectiva de vencer uma crise e de ter melhores indicadores".

Questionado pelos jornalistas sobre os resultados práticas dessa "esperança" na vida dos portugueses Paulo Portas respondeu com o exemplo da multinacional espanhola.

"Vocês estão aqui em Viana do Castelo ouvem uma empresa dizer que nos próximos dois anos vai investir 35 milhões de euros. Isso significa criação de riqueza, de postos de trabalho, é apenas um exemplo. E eu gosto de olhar para os exemplos positivos sem deixar de reconhecer os problemas", sustentou.

O grupo papeleiro espanhol Europac (Papeles y Cartones da Europa) investiu em Portugal, desde 1999, mais de 530 milhões de euros e nos próximos anos tenciona investir 35 milhões de euros na área da qualificação ambiental.

Na fábrica de Viana do Castelo o grupo já investiu mais de 230 milhões de euros, sendo hoje uma das principais unidades europeias de produção de papel kraftliner e um dos maiores exportadores portugueses.

Actualmente a fábrica exporta cerca de 90% da sua produção e é um dos maiores empregadores do distrito de Viana do Castelo, sendo responsável por cerca de 318 postos de trabalho directos.

No último ano a Europac Kraft Viana atingiu o valor de produção mais alto de sempre, com 364 mil toneladas.

Em 2013 as vendas do grupo ascenderam a 1.075 milhões de euros e o valor das exportações atingiu os 160 milhões de euros.

A multinacional tem mais de 30 unidades espalhadas por Portugal, Espanha, França e Marrocos, que exportam os seus produtos para 30 países. Emprega mais de 2.200 colaboradores, 855 dos quais em Portugal. 

Lusa/SOL