Vida

Cientistas inventam teste que pode ajudar a detectar Alzheimer

No Dia Mundial do Doente de Alzheimer, o Health Site revelou um estudo publicado no Journal of Alzheimer’s Disease que sugere um teste muito simples, que combina o uso do intelecto e do movimento, que pode ajudar a detectar o risco de desenvolvimento desta doença, antes de começarem a ser revelados sinais de demência.


O teste consiste em mexer o rato do computador na direcção oposta do alvo visual que aparece no monitor, exigindo assim que a pessoa que está a fazer o exame “pense antes e durante os momentos em que mexe a mão”, explica a professora da Universidade de York, no Canadá, Lauren Sergio. 

Para ser feito este teste, os voluntários dividiram-se em três grupos: Aqueles que apresentam sinais de demência ou têm casos de Alzheimer na família e outros dois (um de jovens adultos e outro composto por idosos) que não têm qualquer historial familiar.

O estudo descobriu que 81.8% dos participantes que tinham casos de Alzheimer na família e sinais de demência tinham mais dificuldades em desempenhar a parte cognitiva da tarefa do ‘rato’.

“A capacidade de assimilar informação visual e sensorial e transformá-la num movimento requer uma comunicação entre a área parietal na parte de trás do cérebro e as regiões frontais”, explica Sergio.

“Quanto à categorização de níveis baixos e altos da doença, essa é agora mais fácil com este teste”, acrescenta.

Os principais sintomas

O médico Rajiv Anand, Director do departamento de neurologia do Hospital de Nova Deli, na Índia, fez uma lista dos primeiros sintomas experienciados por alguém que tem Alzheimer (apesar destes poderem variar de pessoa para pessoa):

1)    Perda de memória: Normalmente memórias ligadas a experiências recentes. Esquecimento de membros de família, de locais importantes (a própria casa por exemplo), de datas e eventos;

2)    Confusão: Baralhar lugares, nomes, datas, actividades (como comer, tomar banho, etc);

3)    Dificuldade em executar certas tarefas: As pessoas que têm Alzheimer costumam ter dificuldades em desempenhar algumas actividades básicas (normalmente ligadas a coisas que fazem no dia-a-dia) como cozinhar, fazer a barba, entre outros;

4)    Problemas em resolver pequenos desafios: Podem até ser hobbies que tinham no passado, como construir um puzzle ou fazer cálculos mentais;

5)    O local errado: Uma pessoa com Alzheimer vai ter muita dificuldade em lembrar-se em que sítio pôs as coisas ou onde estava antes, não conseguindo regressar ao ponto de partida.