Politica

PCP insatisfeito com declarações de IRS de Passos

O primeiro-ministro autorizou a entrega aos partidos das suas declarações de IRS mas o PCP não ficou satisfeito e quer mais esclarecimentos sobre o caso Tecnoforma.

As declarações de IRS de Passos durante o período em que foi deputado, entre 1991 e 1999, foram divulgadas no Parlamento e entregues em papel a todos os grupos parlamentares. Contudo, os comunistas não ficaram satisfeitos. “Não adianta nada”, afirmou ao SOL o líder da bancada do PCP, João Oliveira.

Segundo o jornal online “Observador”, Passos recebeu mais de 24 mil euros enquanto era deputado. Os valores são os mesmos que constavam de uma resposta do Secretário-Geral da Assembleia da República em 2000, quando Passos pediu o subsídio de reintegração, e que foi divulgada a semana passada.

Esta manhã, durante a conferência de líderes, a Presidente da Assembleia da República bloqueou o requerimento do PCP para aceder ao registo de interesses de Passos Coelho enquanto foi deputado e aos documentos em falta. No debate quinzenal desta sexta-feira, o primeiro-ministro assumiu que pela sua actividade no Centro Português para a Cooperação, uma ONG ligada à Tecnoforma, recebeu despesas de representação. O PCP quer saber “quanto recebeu e como” e esses dados não constam das declarações de IRS agora divulgadas.

Assunção Esteves disse não se sentir mandatada para pedir a Passos esses documentos e exigiu um projecto de deliberação que terá que ser aprovado pela maioria. O PCP conta apresentá-lo e votá-lo até ao final da semana. 

O primeiro-ministro tem que prestar todos os esclarecimentos no mais curto espaço de tempo”, afirmou o líder da bancada do PCP, João Oliveira, à saída da conferência de líderes ao final da manhã. Caso ainda assim a tentativa dos comunistas saia frustrada, João Oliveira disse que utilizarão “todos os mecanismos” possíveis para que os esclarecimentos sejam prestados.

sonia.cerdeira@sol.pt