Economia

Crescimento do país em debate no Fórum do Algarve

Como pode crescer Portugal após o período de ajuda externa? Este será o principal tema da terceira edição do Fórum Empresarial do Algarve, que decorre entre hoje e domingo, em Vilamoura.


Organizado pelo LIDE Portugal – Grupo de Líderes Empresariais, o evento deverá reunir cerca de 300 participantes nacionais e estrangeiros, vindos de Angola, Brasil ou Alemanha. Contará com a intervenção de políticos, empresários, banqueiros e economistas. 

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, o ministro da Economia, Pires de Lima, mas também Manuel Ferreira de Oliveira (Galp), António Mexia (EDP) e Gonçalo Moura Martins (Mota-Engil) falarão sobre competitividade das empresas, internacionalização e formas de financiamento.

Jorge Sampaio, ex-presidente da República, Miguel Frasquilho, presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, Luís Marques Mendes, bem como os líderes dos CTT, Estradas de Portugal, Abreu Advogados, Bial, Capgemini, Banco Popular ou BESI também darão o seus pontos de vista.

Segundo Carlos Miguel Gonçalves, presidente executivo do LIDE Portugal, esta edição do Fórum será “mais direccionada para Portugal e para a nossa economia”, depois de nas edições anteriores se ter analisado a crise internacional e a posição do país no contexto europeu e atlântico.

“Após a identificação dos desafios, mas também das oportunidades decorrentes da crise, impõe-se agora olhar para dentro, para a necessária retoma e desbravar os caminhos do crescimento para Portugal. Numa fase pós-troika, em que o país inicia o regresso aos mercados, faz sentido debater de que forma é que podemos ser mais competitivos, como podemos obter financiamento e direccionar os investimentos para crescer de forma sustentada”, salienta o responsável.

Estimular negócios

Além de promover o turismo algarvio e a gastronomia portuguesa, a iniciativa visa ainda estimular o networking entre empresários e decisores.

“O desenvolvimento de contactos e a criação de parcerias domésticas e internacionais é uma das melhores formas de evolução e crescimento das empresas e dos seus líderes. O networking, que está na base de actuação do LIDE, visa fomentar a livre iniciativa nas empresas, facilitando a realização de negócio”, frisa Carlos Miguel Gonçalves. 

E realça: “Para promover melhores relações empresariais é necessário um ambiente propício para criar relações pessoais, onde é possível trocar contactos e partilhar ideias num contexto menos formal”.

Hoje em 12 países, entre os quais Brasil, Argentina, Itália, EUA ou China, o LIDE lançou-se em Portugal em 2011. Desde então, esta organização internacional tem usado o braço português para se expandir em países lusófonos (Angola e Moçambique) e europeus (Alemanha e Itália).

Este ano entrou em Marrocos e deverá estrear-se em Espanha em breve. África do Sul, Emirados Árabes Unidos e Suíça também estão nos planos.

ana.serafim@sol.pt

Os comentários estão desactivados.