Vida

Diamante rosa atinge preço recorde em Hong Kong

Enquanto os estudantes clamavam por mais democracia nas ruas, decorria na filial da Sotheby’s de Hong Kong um leilão com preços muito pouco democráticos. A estrela da noite de terça-feira, que rendeu um total de 584 milhões de HK dólares (cerca de 59 milhões de euros), foi um diamante rosa de 8,41 carates.

“É extremamente raro aparecerem diamantes rosa naturais; alguns dizem que é mais do que raro”, pode ler-se no site da leiloeira. “Só 0,1% dos 20 milhões de carates extraídos anualmente é cor-de-rosa, e todo um ano de produção destes tesouros cor-de-rosa com mais de meio carate cabe na palma da mão”.

A competição pelo diamante de Hong Kong foi feroz, com o mineral a superar a estimativa mais alta, que era de cerca de 12 milhões de euros. Apesar de ter aproximadamente o tamanho de uma amêndoa (só o miolo), atingiu um valor de 14 milhões de euros.

A primeira referência a um diamante cor-de-rosa remonta ao século XVII. Conhecido por Diamanta Grande Table (diamante grande mesa), estaria incrustado no trono do Rei Mogol da Índia, Shah Jahan. O aventureiro francês Jean-Baptiste Tavernier, que o viu numa viagem à Índia, avaliou o seu tamanho em mais de 200 carates. Saqueado pelo Xá do Irão, acabaria por perder-se o rasto do mineral após o assassínio do seu proprietário.

jose.c.saraiva@sol.pt