Sociedade

Carlos Queiroz diz que foi roubado pelo BES

Em entrevista ao programa MaisFutebol da TVI, o actual seleccionador do Irão diz ter perdido “metade da vida de trabalho” numa aplicação não autorizada na Rioforte, uma empresa falida do universo Espírito Santo.


“Foi um abuso e uma fraude do Banco Espírito Santo, neste caso do ES Bankers, do Grupo Espírito Santo no Dubai”, acusa o antigo seleccionador nacional.

Queiroz acusa um “director comercial do ES Bankers” de ter movimentado “uma fortuna” de uma conta sua para a Rioforte. “Pôs os meus fundos - fundos que tinha guardado exclusivamente para apoiar a minha reforma -, na Rioforte de uma forma fraudulenta e abusiva”, afirma.

À TVI, o técnico recusou quantificar o montante em causa, mas disse equivaler a “mais de quinze anos” de poupanças para a reforma. Queiroz admite ainda não ter a expectativa de reaver o dinheiro.

“As pessoas não têm ideia da tragédia que está por detrás de centenas e milhares de pessoas que entregaram ao BES anos e anos do seu trabalho”, lamenta, esperando que “de uma vez por todas a justiça portuguesa possa julgar e condenar” os responsáveis por eventuais crimes financeiros.

Queiroz questiona ainda como é que, “depois de se ter passado em Portugal o caso BPN”, foi possível ocorrer um novo escândalo na banca.

“Começo a achar que a única coisa que é crime neste país é um treinador à sete da manhã dizer dois ou três palavrões a alguém...”, afirmou.