Economia

Crescimento da TAP acima do previsto

O Verão, época alta para o negócio do transporte aéreo, foi conturbado para a TAP, que enfrentou cancelamentos, atrasos e irregularidades operacionais. Mas os contratempos não afectaram o tráfego da companhia aérea, que até reviu em alta o crescimento previsto para este ano.


“As previsões actuais de crescimento de tráfego estão acima das do início do ano”, indica ao SOL fonte oficial da empresa. “No inicio de 2014, a previsão era de 5%. Como estamos a entrar numa época tradicionalmente de menor procura já seria bom mantermos uma melhoria em torno de 8%”, tal como nos primeiros nove meses.

Sobre as onze novas rotas lançadas em Junho e Julho, o balanço é positivo, ainda que “o verdadeiro teste seja em Outubro e Novembro”, por serem meses em que há menos procura.

Sustentando que as ocorrências do Verão “não afectaram” o desempenho da TAP, a mesma fonte nota que, até Setembro, foram transportados 8,8 milhões de passageiros, mais 694 mil do que no mesmo período de 2013 (+8,5%).

Analisando apenas Setembro, a companhia teve uma subida de 12,8% no volume de passageiros, mantendo a rota de aumentos que já tinha registado em Junho, Julho e Agosto. Nos primeiros nove meses do ano, a taxa de ocupação dos aviões evoluiu de 79,9% para 82,2%.

A mesma ideia foi defendida pelo presidente da companhia, Fernando Pinto, no dia 30 de Setembro, quando esteve no Parlamento  para explicar aos deputados os motivos da 'turbulência' que afectou a operação nos últimos meses. 

Assumiu um número “fora do normal” de cancelamentos no Verão: 543 entre Junho e Agosto, que comparam com 450 no mesmo período de 2013. A falta de tripulações - que será colmatada com a contratação de mais 22 pilotos - e questões técnicas foram as principais razões apontadas pelo gestor.

Fernando Pinto anunciou que pediu uma auditoria externa para avaliar as dificuldades deste Verão, agravadas pelos atrasos na entrega dos seis aviões que contratou para satisfazer o aumento da oferta e na admissão e formação de tripulações.

O processo já está em curso, mas a empresa não revela qual a empresa auditora nem o prazo para a conclusão dos trabalhos.

Fernando Pinto garantiu que os problemas não afectaram o valor da empresa. “A TAP só melhora o seu valor”, assegurou, argumentando com a redução do endividamento e com os maiores proveitos.

ana.serafim@sol.pt