Internacional

Violência policial reaviva protestos em Hong Kong

Seis polícias de Hong Kong foram suspensos esta quarta-feira na sequência da divulgação de um vídeo onde aparecem a espancar brutalmente um manifestante durante a noite de ontem. 

A revolta em torno do vídeo ameaça agora reavivar um movimento pró democracia que perdera apoiantes nos últimos dias.

O encerramento de um túnel numa das principais vias da cidade ‘devolvida’ pelo Reino Unido à China em 1997 foi o mote para a operação policial, que durante a noite resultou na detenção de pelo menos 45 pessoas.

Perante a resistência de parte dos manifestantes, as autoridades recorreram ao uso de gás pimenta para dispersar e conseguir abrir o túnel que se situa junto à zona de edifícios governamentais. Durante a operação, o canal TVB transmitiu imagens de um grupo de polícias a levar um dos manifestantes para uma zona afastada, sem tanto movimento.

Ken Tsang Kin-chiu à saída do hospital AP

No vídeo que rapidamente está a acumular visualizações no Youtube, consegue ver-se Ken Tsang Kin-chiu a ser sentado no chão para de seguida ser agredido a pontapé pelos vários agentes presentes. A revolta online indica agora que o movimento pró democracia – que chegou a juntar 100 mil pessoas depois de a China anunciar que irá filtrar os candidatos às eleições regionais de 2017 – pode voltar a ganhar adeptos, depois de nos últimos dias ter conseguido mobilizar apenas umas centenas de manifestantes.

Ken Tsang Kin-chiu já foi identificado como membro do Partido Cívico, que informou que o espancamento continuou já na esquadra e que o seu militante está agora internado no hospital.

Os manifestantes exigem ainda a demissão do líder executivo da região autónoma, Leung Chun-ying, que já afirmou diversas vezes haver «zero hipóteses» de Pequim revogar a sua decisão devido à pressão das ruas.

 

nuno.e.lima@sol.pt