Sociedade

Doença dos pinheiros já fez cair quase 9 mil árvores na Madeira

O Director Regional das Florestas, Rocha da Silva, disse ontem que o plano de combate ao nemátodo do pinheiro, está "a correr normalmente" e que já foram abatidas 8.479 árvores afectadas, para um conjunto de 48 parcelas.

Este plano iniciou-se no início de Outubro, nas localidades da na Fajã de Ovelha, Prazeres e em Câmara de Lobos, na Madeira.

"Também já está em curso, e em fase de elaboração de contrato, um outro procedimento igual para São Vicente, Ponta do Sol e Serra d'Água, já para um número significativamente superior de árvores a serem retiradas, cerca de 28.700", disse.

Rocha da Silva avançou ainda que está a começar outra iniciativa, a monitorização do insecto que transporta a doença, e que consiste "na colocação de uma série de armadilhas, que serão visitadas periodicamente, e que darão a ideia de qual a densidade deste insecto no terreno".

O nemátodo da madeira do pinheiro foi detectado na ilha da Madeira pela primeira vez em Novembro de 2009, em Pinheiro Bravo (Pinus pinaster) no Palheiro Ferreiro, em São Gonçalo, Funchal, sendo este ponto considerado o ponto focal.

O governante recordou que a região já fez um edital de notificação a todos os proprietários e que há outra situação que se coloca em paralelo, "a segurança de vidas e bens".

"Toda a gente conhece o perigo que estas árvores representam, principalmente nos períodos invernosos e na queda destas árvores, quer nas estradas, quer nas encostas, quer como bloqueamento das linhas de água, e estes aspectos trazem sempre uma responsabilidade ao seu proprietário", referiu.

Rocha da Silva explicou que o edital foi criado devido à ausência de intervenção dos proprietários.

Lusa/SOL