Sociedade

Cabo domina em Lisboa

Num país de cerca de 10 milhões de pessoas e com um território continental de apenas 92 mil km2, mesmo assim há assimetrias regionais na maneira como os portugueses vêem televisão.

Uma das conclusões mais imediatas, analisando a tabela de share dos canais generalistas – fornecida pela CAEM/Mediamonitor –, é que é na zona de Lisboa que os espectadores preferem os canais por cabo aos canais generalistas (RTP1, RTP2, SIC e TVI). Mais de um terço viu em média (no período de 21 de Setembro a 21 de Outubro) os canais alternativos do cabo, correspondendo a 35,3% dos espectadores nessa zona.

Em Lisboa, a TVI, como em todas as regiões, aliás, teve a liderança entre os generalistas, mas foi onde a adesão a este canal foi menor, com 22,1% de share. O Centro é a região que dá menos importância aos canais ultra-especializados do cabo, um vez que apenas um quarto dos seus espectadores (25,2%) os seguem.

A RTP2 tem a sua maior área de influência no Norte (2%) e Centro (2,4%). E a sua importância cai à medida que se desce para Sul: em Lisboa e no Alentejo o share é de 1,6% e no Algarve de apenas 1,3%.

E se nos generalistas o comportamento oscila, no canal TVI Secret Story – que transmite em contínuo no cabo o reality show da TVI – as dissonâncias são grandes. O share do canal foi em média de 2,4% a Norte; 2,8% no Alentejo e 2,2% em Lisboa. São estas as três regiões que se entretiveram mais com as aventuras na Casa. O Centro ( 0,9%) está mais ocupado com outras coisas e o 1% de share no Algarve significa que em cada 100 algarvios a verem televisão apenas um estava a ver Secret Story.

No total do país, o TVI Secret Story e a RTP 2 tiveram a mesma fatia do bolo total de espectadores – 1,9 % cada – durante um mês. Mas esta semana o canal da TVI distanciou-se.

telma.miguel@sol.pt