Sociedade

Surto de legionella deverá ser o mais mortal de sempre no Mundo

A direcção-geral da Saúde (DGS) admite que o numero de mortos por legionella possa chegar à dezena, o que fará do surto português o mais mortífero alguma vez registado no mundo.


O modelo matemático que a equipa da DGS tem usado para calcular os efeitos do surto aponta que o número de vítimas mortais poderá por isso crescer para além das 7 registadas, sendo certo que dos 308 infectados, 44 estão em estado grave e internados em unidades de cuidados intensivos.

Destes doentes, 27 estão a respirar com a ajuda de ventiladores.

Até agora, os dois maiores surtos conhecidos, que ocorreram no Japão e no Reino Unido em 2002, tinham registado ambos 7 mortos.

O modelo matemático usado para compreender o surto calcula que o primeiro caso de infecção tenha acontecido  a 21 de Outubro, com a maioria dos casos a serem infectados entre 23 daquele mês e 1 de Novembro.

O director-geral da Saúde diz que a dimensão do surto deve-se a uma “conjugação rara de factores ambientais”. Por um lado, uma elevada concentração de bactérias em torres de arrefecimento e condições climatéricas que favoreceram a dispersão da bactéria, empurradas por ventos de nordeste. Estas sobreviveram no ar porque havia níveis de humidade anormais, que chegaram aos 80 a 90%.

As autoridades estimam que a partir de 17 de Novembro, a próxima segunda-feira, não surjam novos casos.

joana.f.costa@sol.pt