Economia

Morgan Stanley aumenta posição na PT SGPS

A Portugal Telecom SGPS (PT SGPS) anunciou hoje que a Morgan Stanley voltou a aumentar a sua posição na empresa, que está a ser alvo de uma oferta pública de aquisição (OPA), para 2,16% do capital social.


Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a PT SGPS adianta que o banco norte-americano anunciou que tem uma participação qualificada na empresa superior a 2%.

"Esta alteração resultou da aquisição, a 10 de Novembro (...) de 721.058 acções da PT SGPS, no mercado regulamentado da Euronext Lisbon, e do aumento em 755.205 acções do número de acções ordinárias da PT SGPS tomadas de empréstimo, tendo todas as transacções sido efectuadas pela Morgan Stanley & Co. International", refere a empresa.

"Na sequência das transacções em causa, a Morgan Stanley passou a deter uma participação qualificada correspondente a 19.400.557 acções ordinárias representativas de 2,16% do capital social da PT SGPS e respectivos direitos de voto", adianta.

Na sexta-feira, a PT informou que a Morgan Stanley tinha comprado mais de um milhão de acções da empresa a 5 de Novembro, passando a deter mais de 2% do capital, tendo alienado dois dias depois quase 300 mil acções.

Assim, depois de ter alcançado uma posição correspondente a 2,14% do capital social da PT, considerada segundo as regras do mercado como uma participação qualificada (acima dos 2%), devido às mais de 19 milhões de acções da PT que passou a ter em carteira, o banco de investimento norte-americano passou, posteriormente, a deter uma posição de 1,998%, que agora voltou a aumentar.

A Terra Peregrin, da empresária angolana Isabel dos Santos, lançou uma oferta voluntária de aquisição sobre a PT SGPS, propondo cerca de 1,21 mil milhões de euros pela totalidade das acções da empresa portuguesa, ao preço de 1,35 euros por cada título.

A PT SGPS detém 25% da Oi, além da dívida de quase 900 milhões de euros da Rioforte, do Grupo Espírito Santo (GES), enquanto a Oi detém cerca de 10% da empresa portuguesa.

Lusa/SOL

Os comentários estão desactivados.