Vida

Robô Philae detecta moléculas orgânicas na superfície do cometa 67P

Pouco antes de entrar em hibernação para poupar baterias, o Philae, robô que poisou na superfície do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko na semana passada, enviou informação sobre indícios de moléculas orgânicas. ‘Lançado’ pela sonda Rosetta na última quarta-feira, dia 12, o robô acabou por chegar ao destino à terceira tentativa. Porém, devido à falta de luz no local onde poisou, entrou pouco tempo depois em modo de suspensão para poupar baterias, uma vez que funciona a energia solar.


Mas já tinha começado a enviar dados sobre o cometa à medida que descia e, mesmo à superfície, conseguiu recolher mais informação. Esta última é a mais intrigante: elementos químicos com carbono e hidrogénio, essenciais para a formação de vida na Terra.

A análise da amostra colhida pelo Philae ainda não é, contudo, plenamente conclusiva. “Ainda não temos informação sobre a quantidade e o peso da amostra de solo”, disse ao Guardian Fred Goessmann, investigador principal desta área do Philae, do Instituto Max Planck para a Investigação do Sistema Solar, na Alemanha.

As análises em curso devem revelar mais novidades. Outro especialista disse àquele diário britânico que há muito que a ciência tem provas indirectas de moléculas orgânicas em cometas, e algumas até encontradas no nosso planeta, devido ao impacto de meteoritos. Mas o Philae, mesmo ‘adormecido’ pode agora fornecer as provas mais concretas de sempre. 

ricardo.nabais@sol.pt

Os comentários estão desactivados.