Sociedade

Sócrates: Arménio Carlos espera que 'justiça funcione rapidamente'

O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, admitiu hoje ter ficado surpreendido com a notícia da detenção de Sócrates e defendeu ser necessário "aguardar que a justiça funcione rapidamente".


"Eu acho que a esmagadora maioria das pessoas ficou surpreendida", respondeu o sindicalista aos jornalistas, no arranque da marcha nacional de protesto organizada pela CGTP e que hoje percorre algumas ruas do Porto.

Para Arménio Carlos, "agora é a justiça que tem de funcionar e apurar se o engenheiro José Sócrates está envolvido ou não nos processos".

"Pelos vistos neste momento está indiciado em termos de acusação. Vamos aguardar que a justiça funcione rapidamente", disse o sindicalista para quem "é por demais evidente que a detenção do ex-primeiro-ministro terá impacto na política nacional.

O secretário-geral da CGTP-IN acrescentou que "de qualquer maneira há um problema que temos em Portugal que precisa de ser combatido", nomeadamente "esta cumplicidade, este compadrio que muitas vezes se verifica entre os negócios, as finanças, economia e a política".

"É preciso que isso seja desvendado, seja clarificado e que depois que a justiça funcione", frisou o sindicalista, sublinhando ainda que "se se provar que houve infracção, que houve violação das regras e das leis, então que seja punido como qualquer outro, ninguém está acima da lei, nem o primeiro-ministro, nem ninguém".

Lusa/SOL

 

Os comentários estão desactivados.