Politica

PS e PSD sublinham que 25 de Novembro instaurou democracia em Portugal

Os partidos PSD e CDS assinalaram hoje na Assembleia Legislativa da Madeira o 25 de Novembro de 1975 salientando que foi um marco para a implantação da democracia em Portugal.

Os partidos da oposição PS, PTP, CDU, MPT, PND E PAN não participaram na sessão evocativa do 25 de Novembro de 1975 cujo movimento comandando pelo general Ramalho Eanes pôs termo a uma tentativa de instauração de uma ditadura de esquerda no país.

O deputado do PSD, Emanuel Gomes, lembrou que comemorar o 25 de Novembro era "celebrar a liberdade e festejar a democracia renascida com o 25 de Abril de 1974".

"Foi um momento fundamental e fundador do regime democrático", declarou. 

Emanuel Gomes classificou de "encenação política grotesca" a ausência nas comemorações dos partidos de esquerda e, em particular, do PS.

"O 25 de Abril terminou a guerra colonial e pôs fim ao Estado Novo e o 25 de Novembro de 1975 garantiu a democracia, pôs fim ao PREC (Processo Revolucionário em Curso) e ao extremismo de esquerda em Portugal", declarou.

O presidente e deputado do CDS na Assembleia Legislativa da Madeira, José Manuel Rodrigues, assegurou que o partido irá sempre assinalar o 25 de Novembro que representou um movimento "contra os desmandos da extrema-esquerda em Portugal" e em defesa da "democracia e de um regime pluralista e pelo fim de uma ditadura comunista em Portugal".

Ambos os deputados salientaram o papel dos militares Jaime Neves e do general Ramalho Eanes e dos políticos Mário Soares, Sá Carneiro e Freitas do Amaral neste período em Portugal.

Em conferência de imprensa conjunta, os partidos da oposição, tendo como porta-voz o líder parlamentar do PS, Carlos Pereira, justificaram a ausência no plenário pelo facto da Assembleia Legislativa não comemorar o 25 de Abril de 1974.

Carlos Pereira criticou ainda "o mau funcionamento das instituições na Madeira" nomeadamente a Assembleia e o Governo Regional devido à "guerra interna no PSD" no âmbito do processo de sucessão de Alberto João Jardim.

O socialista disse não compreender "o silêncio" do Presidente da República e do Representante da República face à "confusão governativa" que a Madeira vive há dois anos com "as guerras internas no PSD".

Lusa/SOL