Politica

Cravo na lapela e ovação de pé para Sampaio da Nóvoa

Foi de cravo na lapela que António Sampaio da Nóvoa se dirigiu ao Congresso dos socialistas. O independente, que já foi apontado como possível candidato do PS à Presidência da República, caso António Guterres não avance, dirigiu-se à plateia sempre no plural e recebeu uma ovação de pé no final do seu discurso. Só António Costa e Manuel Alegre o tinham conseguido. 

O discurso que fez no 10 de Junho de 2012 ficou na memória dos portugueses e o ex-reitor da Universidade de Lisboa voltou a não desiludir com um discurso muitas vezes poético. “Este é o tempo, o tempo de mudar Portugal. Temos de estar presentes todos. Porque não quero ver a minha pátria parada à beira de um rio triste”, disse. 

Sampaio da Nóvoa deixou críticas ao Governo que “deixa o país mais pobre, mais desigual, menos preparado, que desperdiçam os jovens e afrontam os mais velhos”. E insistiu que os partidos têm que abrir espaço aos independentes: “Temos que inventar a democracia democrática, aberta a pessoas e movimentos”.

Elogios para António Costa que “tem consigo ideais de tempo novo para Portugal”. “Não há soluções fáceis. António Costa sabe que cada um tem o infinito que merece, sabe sobretudo que em todos os gestos temos que honrar o esforço diário dos portugueses”, afirmou. 

sonia.cerdeira@sol.pt