Sociedade

Saúde: 20% das mulheres grávidas sofre de perturbação mental

A ansiedade e depressão são as doenças psiquiátricas mais frequentes nas mulheres grávidas, afetando duas em cada 10 futuras mães, segundo dados da Unidade de Psiquiatria e Psicologia do Hospital Lusíadas.

Sem acompanhamento e tratamento adequado, as perturbações mentais podem alterar as respostas fisiológicas e comportamentais da mãe, que podem afectar seriamente o bem-estar da mulher, do feto, do bebé e da família», alerta Ana Peixinho, coordenadora desta unidade.

Parar de tomar medicação como anti-depressivos e ansiolíticos  antes da concepção e/ou durante  a gravidez precipita descompensações em 70% das mulheres grávidas com depressão e em 74% das mulheres doença bipolar.

«As mulheres com patologia psiquiátrica prévia ou que se inicia durante a gravidez devem ser acompanhadas em consulta de Psiquiatria Perinatal e receber um tratamento adequado e eficaz em cada uma das etapas da gestação, parto, puerpério e amamentação», explica Ana Peixinho.

Os principais sintomas de ansiedade perinatal incluem preocupação ou medo constante ou excessivo, inquietação, alterações do sono, irritabilidade, aceleração do pensamento, pensamentos ou imagens intrusivos, dificuldade de concentração, comportamentos compulsivos, crises de pânico com dificuldade em respirar, dor no peito, palpitações ou tonturas.

Para identificar a depressão esteja atenta a sinais como tristeza, perda de interesse ou do prazer nas actividades habituais, alterações não previsíveis no peso ou apetite, alterações do sono (insónia ou hipersónia), fadiga ou perda de energia, sentimentos de desvalorização ou culpa, diminuição da concentração, lentificação ou agitação psicomotora e ideias de morte.

Esta unidade hospitalar vai disponibilizar uma consulta de pisquiatria perinatal dedicada a mulheres que planeiam gravidez ou estejam grávidas com estes sintomas.

SOL