Sociedade

2014 foi ano terrível para produtoras de tV

Foi um “ano péssimo” para as pequenas e médias empresas, segundo disse ao SOL Susana Gato, secretária geral da Associação de Produtores Independentes de Televisão (APIT). E a explicação não se limita à crise: “A RTP2 deixou este ano de recorrer à produção independente e a RTP1 passou a  ter só formatos comprados às produtoras internacionais”. Esta conjugação de factores leva à deterioração do serviço público: “A programação da televisão pública perdeu diversidade de géneros”, considera aquela responsável, com a consequência de “as pequenas produtoras estarem em situação muito má”.


A Produções Fictícias – a conhecida empresa de guionistas encabeçada por Nuno Artur Silva, e que assegurou a escrita do célebre Contra Informação para a RTP, durante mais de 10 anos, bem como vários programas de Herman José e os Contemporâneos –  não teve “em todo o ano de um 2014 um único projecto aprovado para a RTP”, quando nos últimos anos havia uma “colaboração continuada” – diz ao SOL Gonçalo Félix da Costa, director executivo da Produções Fictícias.  “Esta administração privilegia toda a programação concorrencial com os canais privados”, defende. “É normal que um privado procure o lucro, mas um canal público tem também a responsabilidade de apoiar a diversidade”, analisa. Não havendo  essa diversidade, salienta  o director daquela produtora, “a RTP fica igual aos outros canais e coloca-se a questão da sua relevância”.  

A lei, diz Susana Gato, estabelece uma quota de 10% de produção independente:  “Se estiver a ser cumprida pela RTP deve ser no mínimo. O apoio à actividade das produtoras independentes – que faz parte do serviço público – perdeu-se”.
Para sobreviver, as pequenas produtoras procuram novas soluções. A Produções Fictícias está a  fazer “investigação e desenvolvimento”, ou seja, a produzir guiões, montar projectos e apresentar propostas a outros canais. 

A Mínima Ideia, especializada em documentário, voltou-se, segundo o seu responsável, Paulo Galvão, para o mercado angolano e para a música, tendo produzido para a Universal um documentário sobre os 20 anos de Viagens,  de Pedro Abrunhosa.

Já a recém-chegada ao mercado Frame Productions – que acaba de produzir a curta-metragem Deus Providenciará, com Isabel Abreu – virou-se para a internet. Segundo Laura  Milheiro, responsável desta produtora, “a aposta é seguir um bocadinho o caminho da Netflix: produzir para o online e com o patrocínio das marcas”. Até porque “a população da TV é muito envelhecida: os jovens já só usam como suporte o computador”.

telma.miguel@sol.pt