Cultura

Carlos do Carmo completa 75 anos e é homenageado em Lisboa

O fadista Carlos do Carmo completa hoje 75 anos e é homenageado com a exibição do documentário "Um Homem no Mundo", de Ivan Dias, que definiu a obra, em declarações à Lusa, como "um filme de amor".

"Neste filme, [em contacto com os amigos], Carlos do Carmo revela-se, o que me permitiu, como realizador, poder mostrar este mundo que ele não pôde a mostrar ao grande público, e só mostrava aos amigos", disse Ivan Dias.

O filme, exibido hoje, às 18:30, no Cinema S. Jorge, em Lisboa, "é um filme de afetos, de amizades, quase lhe chamava um filme de Natal, porque é um filme da família, um filme de amor - eu diria que este é um filme de amor", afirmou o cineasta que realizou, entre outros, um documentário sobre o viola baixo Joel Pina, a exibir em fevereiro na RTP.

O realizador disse ainda que o filme surge no "momento mais brilhante, o momento de consagração" do cantor, pois "poucos artistas chegam aos 50 anos de carreira", celebração que se junta aos 50 anos de casamento do fadista com Maria Judite de Sousa Leal, com quem tem três filhos e vários netos.

Para Ivan Dias, esta é uma questão "essencial" e, à Lusa, afirmou que procurou "passar a ideia do afeto com que Carlos vive com Judite e com os amigos".

"Quando estávamos a mostrar o filme", Carlos contou "17 beijos que dá a Judite". "Eu não contabilizei. Agora, de facto, é um ritual que ele cumpre sempre antes de entrar em palco, antes de fazer qualquer coisa importante: olha para ver onde está Judite, dá-lhe um beijo na boca e sobe ao palco", contou Ivan Dias.

Carlos do Carmo, criador de êxitos como "Canoas do Tejo" e "Os Putos", disse à Lusa que Ivan Dias lhe quis oferecer este filme.

"O Ivan quis oferecer-me este filme. Há ano e meio ele disse-me: 'Vou fazer o filme da sua vida'. Andou atrás de mim, foi a Toronto, a Madrid, ao Brasil, e foi filmando, filmando, e fazendo uma retrospetiva, e fez este documentário que é muito cheio de afetividade - o que ele tem sobretudo é afetividade", disse o fadista à Lusa, lembrando que o realizador "andou a bater de porta em porta", para conseguir os necessários apoios financeiros.

Embaixador da candidatura do Fado a Património Imaterial da Humanidade, Carlos do Carmo realçou a importância deste tipo de documentários, que não foi possível fazer no passado.

"É indispensável, para a memória do futuro, para as pessoas saberem quem nós éramos, ao que andávamos, como era o nosso feitio, e depois têm os discos para ouvir", rematou.

"Um Homem no Mundo" é apresentado no dia 21 de dezembro, às 18:00, como obra ainda não concluída, na homenagem ao fadista, no Cinema S. Jorge, em Lisboa.

A estreia do documentário estava prevista para o dia de Natal, mas foi adiada para o próximo ano, por "questões levantadas pela Sociedade Portuguesa de Autores [SPA] sobre direitos autorais", disse à Lusa o representante da distribuidora cinematográfica NOS Saul Rafael.

Lusa / SOL