Sociedade

Continua polémica em torno da estátua de Ronaldo

A estátua de homenagem a Cristiano Ronaldo inaugurada a 21 de Dezembro, na Praça do Mar, no Funchal, Madeira, continua a ser tema de polémica no último dia do ano, a escassas horas do famoso fogo de artifício a ser lançado na baía da cidade.

«Não se parece nada com ele», é a opinião mais ouvida junto ao monumento de bronze de 2,40 m descontando o pedestal. As muitas pessoas que aí se deslocam para tirar fotografias junto ao seu ídolo não reconhecem no rosto as feições daquele que é considerado o maior futebolista do mundo. Mas as críticas não incomodam o escultor Ricardo Velosa, já habituado às opiniões positivas ou negativas sobre outros trabalhos que fez para a região e que também ocupam lugares de destaque no Funchal. 

A ideia da estátua partiu do Jornal da Madeira, mas não foi paga por este órgão de comunicação social. O Governo Regional também não conseguiu inscrever o valor do monumento (50 mil euros) a tempo de integrar o Orçamento e as tentativas de envolver alguns empresários também não resultaram. Quem se responsabilizou pelo pagamento da verba acabou por ser o irmão de Cristiano Ronaldo que acompanhou a par e passo o andamento da obra. A ele se deve, inclusive, o pedido ao escultor para alisar e suavizar algumas rugas ainda no molde original. Entretanto, os turistas e a imprensa internacional também não poupam nas críticas, mas agora parodiando outro pormenor da estátua: o sobredimensionamento dos genitais sob o calção do famoso futebolista.

Para o escultor Ricardo Velosa, que reconhece que a cara foi o mais difícil de esculpir, o jogador está numa posição sua muito característica e que evoca o momento que antecede a marcação de um livre e a concentração do futebolista antes da sua execução.